Rádio Observador

Truques e Dicas

10 dicas para conservar melhor os alimentos no frigorífico

444

Sabia que certos frutos emitem gases? E que estes apodrecem os vegetais? Sabia que os ovos não devem ficar na porta do frigorífico? Saber tudo isto pode fazer com que coma melhor e sem desperdícios.

Certos frutos e vegetais não devem ficar lado a lado

Getty Images

Acondicionar os alimentos no frigorífico tem mais arte do que aparenta. É que uma má organização das coisas pode fazer com que os alimentos apodreçam mais cedo, fiquem com um sabor diferente e, em alguns casos, tudo junto pode provocar intoxicações alimentares. Além disso, uma melhor conservação dos alimentos significa menos idas às compras e menos desperdícios.

O britânico The Telegraph compilou várias dicas para quem quer conservar melhor e por mais tempo os alimentos no frigorífico.

1 – Temperatura

Comece por ajustar o termostato para entre zero e quatro graus centígrados. Assim, previne o desenvolvimento de bactérias e o apodrecimento precoce dos alimentos.

2 – Prateleiras superiores

Na parte superior do interior do frigorífico as temperaturas são mais consistentes, por isso, é lá que devem ficar as refeições pré-cozinhadas, os restos, bebidas, ervas aromáticas, enfim, alimentos que não precisem de ser cozinhados são ‘promovidos’ na hierarquia do eletrodoméstico.

3 – Alimentos não têm lugar por cima do frigorífico

Ou estão dentro, ou nada feito. Para manter a temperatura fresca, o frigorífico expulsa o ar quente pela parte superior, pelo que não convém pousar alimentos na base superior do eletrodoméstico. O pão, por exemplo, fica bolorento. Se tem falta de espaço, pode optar por colocar ali livros de culinária ou outros aparelhos de cozinha.

4 – Atenção à porta do frigorífico

Não coloque ovos na porta do frigorífico. É um clássico nos lares portugueses mas, aparentemente, é um erro. Para além da maior probabilidade de se partirem com a constante abertura da porta, é ali que as temperaturas são mais quentes, pelo que devem estar reservadas a alimentos menos sensíveis ao calor, como os sumos. O Telegraph sugere que ali fiquem acondicionadas comidas e bebidas com conservantes naturais, que ajudam à preservação. Quanto aos ovos, opte por colocá-los nas prateleiras inferiores internas, em embalagens plásticas ou em porta-ovos.

5 – Prateleiras inferiores

Ao contrário do que dita a lógica da geografia no hemisfério norte, no mapa do frigorífico é a sul que faz mais frio. Por isso, é lá que deve colocar os produtos lácteos mais perecíveis, os ovos, a carne crua e o peixe. A carne e os produtos lácteos ou à base de laticínios devem ser colocados num prato e fechados hermeticamente (ou o mais possível), não só para preservarem a frescura, mas também para que as bactérias não se espalhem para os outros alimentos.

6 – Cada qual na sua gaveta

Misturar frutas e vegetais na mesma gaveta é um erro, já que muitas frutas (pêssegos, ameixas, pêras, por exemplo) emitem gases que aceleram a decomposição dos vegetais. Uma conservação mais eficiente evita que os alimentos acabem no lixo e diminui as idas ao supermercado.

7 – E no congelador?

Como saberá, o congelador não serve apenas para guardar comida já congelada. Há muita gente que guarda alimentos no frigorífico durante demasiado tempo até se estragarem. Sopa, tortilhas, molhos e até ovos em certas condições podem ser congelados, de preferência em sacos de congelação. Não os guarde quentes. No caso de cozinhados líquidos, não encha o recipiente até cima porque os alimentos dilatam-se com a congelação, podendo acabar por abrir a tampa.

8 – Itens opcionais

Mantenha carne e produtos lácteos hermeticamente fechados e colocados numa placa para preservar a frescura e evitar que bactérias se espalhem para outras áreas. Outra vez os ovos. É que eles podem absorver os cheiros das coisas que estiverem por perto. Por isso, se há algo com cheiro intenso no frigorífico, o melhor é manter os ovos longe. O espumante deve ficar no frigorífico, já que novos estudos indicam que o frio pode prolongar a vida útil da bebida e evitar que fique escura. Nozes e óleos naturais também devem ficar guardados no frigorífico para manterem a frescura.

9 – O que nunca deve pôr no frigorífico

Pão. É um erro comum que só faz com que fique mais seco. Já no congelador, o pão pode ser conservado durante três meses. Congele-o ainda fresco. Os tomates devem ficar à temperatura ambiente, para que não fiquem farinhentos nem inodoros. Mantenha também alhos, abóboras e batatas fora do frigorífico. Estes devem ficar num lugar escuro e seco.

10 – E por fim…

Limpe o frigorífico uma vez por mês, para manter longe as bactérias e odores indesejados. Não encha cada centímetro do frigorífico, uma vez que o ar precisa de fluir para refrigerar. Se abrir uma lata e não usar todo o conteúdo, nunca coloque a lata novamente no eletrodoméstico. A comida pode reagir ao metal da lata e estragar-se mais rapidamente. Tenha também em conta que os frigoríficos “No Frost” criam um ambiente mais seco em relação àqueles que não dispõem desta tecnologia, pelo que os alimentos devem ser tapados para não correrem o risco de secar. As frutas, hortaliças e legumes ficam a salvo nas gavetas, conforme foi aconselhado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)