A responsável pela política externa da União Europeia (UE), Federica Mogherini, anunciou esta segunda-feira a criação de parcerias entre os países europeus e países árabes como o Egito, o Iémen, a Argélia e os países do Golfo e também com a Turquia. Os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE reuniram-se esta segunda-feira em Bruxelas, menos de duas semanas depois dos ataques em Paris contra o jornal satírico Charlie Hebdo e o supermercado kosher. No próximo dia 12 de fevereiro os ministros dos Negócios Estrangeiros da União estarão reunidos numa cimeira extraordinária sobre terrorismo.

Com estas parcerias pretende-se que a UE melhore a partilha de informação secreta ao nível comunitário e com outros países afetados pelo terrorismo e consiga prevenir o financiamento de redes terroristas, disse Federica Mogherini, citada pela BBC logo depois da reunião dos ministros que aconteceu esta segunda-feira em Bruxelas, como estava previsto. Para isso, sublinhou a Alta Representante da UE para Política Externa, é fundamental melhorar a comunicação com os países árabes. “Temos de melhorar a nossa capacidade de falar árabe, de escrever em árabe e de ouvir as mensagens que nos chegam do mundo árabe”, disse como resumo da cimeira sem dar mais detalhes. Aliás nem saiu qualquer comunicado do encontro sobre o assunto.

Presente no encontro esteve o secretário-geral da Liga Árabe, Nabil el-Araby, que disse que o terrorismo afeta todos os países do mundo. “Não se trata apenas de uma questão de segurança, estendendo-se às esferas intelectuais, culturais, mediáticas e religiosas”, disse Nabil el-Araby.