O PS apresentou hoje um requerimento ao presidente da comissão de inquérito à gestão do BES e do GES reclamando a vinda ao Parlamento do ex-ministro José Luís Arnaut, atual membro do conselho consultivo internacional da Goldman Sachs.

O texto que pede a nova audição do ex-ministro, e a que a agência Lusa teve acesso, surge no dia seguinte ao Wall Street Journal (WSJ) ter noticiado que José Luís Arnaut e o ‘partner’ do Goldman Sachs António Esteves estiveram envolvidos no empréstimo superior a 706 milhões de euros do banco norte-americano ao BES.

Segundo uma notícia publicada na segunda-feira na edição ‘online’ do jornal norte-americano, que cita fontes ligadas ao processo, o empréstimo de cerca de 706,5 milhões de euros do Goldman Sachs ao BES (a um mês do colapso do banco) “resultou de um esforço concertado” e de “vários meses” envolvendo vários dos mais altos membros da instituição financeira, entre eles José Luís Arnaut e António Esteves.

O empréstimo que está agora sob análise do Banco de Portugal, que está a tentar esmiuçar a rede de acordos e ligações do BES na altura do seu colapso, foi aprovado por pelo menos três comités do Goldman Sachs, “compostos por altos executivos do banco” e que foram “designados para avaliar rigorosamente as transações e o potencial para prejudicar a reputação do banco”.

O jornal norte-americano escreve que José Luís Arnaut, antigo ministro de Durão Barroso e de Santana Lopes (PSD), e que desde janeiro de 2014 faz parte do conselho consultivo internacional do banco norte-americano, “manteve contactos com o presidente executivo do BES, Ricardo Salgado, oferecendo a ajuda do Goldman Sachs para angariar dinheiro” para o banco português.

A comissão de inquérito ao BES/GES ouve hoje o presidente da auditora PricewaterhouseCoopers, José Pereira Alves.