Quatro homens foram acusados em Paris por estarem ligados aos ataques à redação do jornal Charlie Hedbo, no dia 7 de janeiro, e ao supermercado kosher, segundo avançou o Ministério Público esta terça-feira, citado pela Bloomberg. Estão acusados da posse de armas e de terem ajudado a planear o ataque.

Na noite de 15 de janeiro foram detidas 12 pessoas – nove homens e três mulheres -, dos quais oito foram libertadas. Conforme a lei francesa, os homens com idades compreendidas entre os 22 e os 28 anos, ficarão detidos enquanto decorrem as investigações e se constrói o caso.

O ADN de um dos detidos foi encontrado na arma usada por Amedy Coulibaly para matar uma mulher polícia no dia 8 de janeiro e quatro reféns no supermercado no dia seguinte, informou a polícia. O ADN de outro dos detidos foi encontrado no carro que Coulibaly levou até ao supermercado na zona leste de Paris, disse a rádio Europe1. Dos quatro homens, três já tinham cadastro criminal e um deles conheceu Coulibaly na prisão, referiu a Associated Press.

A polícia ainda está a investigar a relação entre os dois ataques – de Coulibaly e dos irmãos Kouachi à redação do jornal -, mas ainda não encontraram ninguém que pudesse estar relacionado com o ataque ao Charlie Hebdo. Entretanto, França mantém o estado de alerta máximo e colocou 122 mil polícias e militares a patrulharem o país para proteger escolas, estações de comboios, edifícios culturais e outros locais sensíveis, disse o Ministro do Interior, Bernard Cazeneuve.

O primeiro-ministro francês apresenta esta quarta-feira novas medidas de segurança que incluem mais investimento nos serviços secretos para recolher informações sobre jihadistas e outros radicais, bloquear a atividade destes na Internet e evitar que colaborem nas prisões ou viajem para o estrangeiro para se juntarem aos combates, avançou o Presidente François Hollande, citado pela Associated Press.