O ministro das Finanças do Reino Unido, George Osborne, pediu esta segunda-feira ao seu homólogo grego, Yanis Varoufakis, para que o governo a que pertence “aja com responsabilidade“, já que o impasse que se vive neste momento entre Atenas e a zona euro é “o maior risco para a economia global“. Varoufakis vai esta segunda-feira reunir-se com cerca de 100 banqueiros da City para transmitir tranquilidade aos investidores.

“É claro que o impasse entre a Grécia e a zona euro está rapidamente a tornar-se o maior risco para a economia mundial. E é, também, uma ameaça crescente para a economia britânica”, afirmou o Chancellor of the Exchequer, isto é, o ministro das Finanças britânico, após um encontro de 45 minutos na Downing Street, a sede do governo, com o ministro das Finanças grego.

Yanis Varoufakis, que se apresentou na sede do governo sozinho, com o estilo informal que lhe é característico, ouviu da boca do responsável pelas Finanças da segundo maior economia europeia que o governo grego deve agir “com responsabilidade”. “Na Europa e também no Reino Unido, agora é o momento para escolher a competência, em detrimento do caos“, afirmou Osborne após o encontro. George Osborne apelou à responsabilidade mas afirmou, citado pela Bloomberg, que “é importante que a zona euro tenha um plano melhor para fomentar o emprego e o crescimento”.

Depois de Osborne, 100 banqueiros na agenda para um dia

O ministro das Finanças da Grécia, que não fez declarações, viajou para Londres proveniente de Paris, onde no fim de semana esteve reunido com Michel Sapin, o ministro das Finanças de França, um responsável que disse que Paris “está mais do que preparada para apoiar a Grécia”. Nesta altura, depois da reunião com George Osborne, Yanis Varoufakis estará reunido com cerca de 100 banqueiros da City londrina.

São cerca de 100 banqueiros, investidores e analistas que estão a ouvir Yanis Varoufakis garantir que a Grécia será capaz de pagar as suas dívidas sem infligir perdas aos obrigacionistas privados. Esta é, segundo fonte citada pela Reuters, a mensagem principal que o ministro das Finanças grego quererá passar aos financeiros da City. É na dívida aos parceiros europeus que a Grécia quer uma revisão das condições e não é intenção do governo de Alexis Tsipras envolver os credores privados, que detêm menos de 20% da dívida total da Grécia.

“A mensagem será que estamos muito abertos ao investimento, que as pessoas devem dar ouvidos ao ministro das Finanças, que tem absoluta confiança do primeiro-ministro, e não ruídos provenientes de outros lados”, disse a mesma fonte à agência noticiosa.