Eleições Presidenciais

Marcelo: “Provavelmente [Vitorino] já aceitou” ser o candidato do PS às presidenciais

Caso António Guterres não avance, e parece cada vez mais provável que não, diz Marcelo Rebelo de Sousa, então o comentador acredita que António Costa já decidiu: avança António Vitorino.

Marcelo Rebelo de Sousa continua sem desfazer a dúvida: avança ou não para as presidenciais deste ano?

NUNO VEIGA/LUSA

“Acredito que ele aceite, provavelmente já aceitou”. Marcelo Rebelo de Sousa comentou assim a hipótese de António Vitorino ser o candidato do Partido Socialista às próximas eleições presidenciais caso António Guterres não avance. E o comentador, e há muito apontado como um dos mais fortes candidatos a ser o candidato da direita a essas mesmas eleições, acredita que o atual Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados não vai mesmo apresentar-se.

Isso tem-se dito sucessivamente, e aparentemente os sinais vão cada vez mais nesse sentido, de ele se virar mais para a política internacional e menos para a política interna, ou pelo menos não se virar tanto para a candidatura presidencial.”

Na edição deste fim de semana o jornal Expresso dizia que Guterres já avisou António Costa que não vai voltar a Portugal para ser o candidato às presidenciais.

No habitual comentário na TVI, Marcelo, e voltando a Vitorino, revelou não ter quaisquer dúvidas, com António Guterres fora da corrida presidencial, António Vitorino será, inequivocamente, a escolha do secretário-geral socialista: “Eu acho que na cabeça de ambos está uma coisa muito clara que é, definido que António Guterres não é candidato, é António Vitorino.”

E Marcelo elogiou o possível futuro opositor – eu sou suspeito porque gosto muito da pessoa de António Vitorino – apesar de lhe reconhecer características que talvez não encaixem bem no que é tradicional para o cargo – é um perfil diferente do perfil clássico de presidente da República, que é de um senador, mais velho, mais institucional, mas o que é facto é que vários dos nomes que têm sido falados não entram nesse perfil. Pedro Santana Lopes e Rui Rio também também não entram nesse perfil. Nesse sentido António Guterres tinha mais esse perfil.

Questionado por Judite de Sousa se ele próprio teria esse perfil, Marcelo Rebelo de Sousa foi perentório: “Eu também não me vejo nesse perfil.”

Apesar da afirmação, e comentando também as declarações de sábado de Marques Mendes na SIC, que disse que sem Guterres Marcelo tinha uma autoestrada aberta para a presidência, o comentador optou por manter a dúvida: “Primeiro antes de Outubro não há nenhuma decisão tomada. Segundo, em política não há autoestradas, nem nas legislativas nem nas presidenciais. À direita não há autoestradas, a direita, para as duas eleições, vai ter de percorrer um caminho difícil.”

Outro dos nomes que surge associado às próximas eleições presidenciais deste ano tem sido o de Pedro Santana Lopes. E também ele mereceu menção de Marcelo. A propósito do anúncio de Santana de que só esclareceria, definitivamente, se será ou não candidato em outubro, e que não queria não pretendia confusões com as atuais funções na Santa Casa, o comentador afirmou que Santana percebeu o que está em jogo, em termos de timing.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)