535kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Um mapa que diz tudo: A Europa a morrer, o mundo a crescer (interativo)

Este artigo tem mais de 5 anos

Enquanto os países africanos continuam a registar taxas de natalidade muito elevadas e os da América do Sul quase ao nível dos asiáticos, a Europa definha, com crescimento quase negativo.

A Europa destaca-se claramente do resto do mundo como a que menos nascimentos tem
i

A Europa destaca-se claramente do resto do mundo como a que menos nascimentos tem

A Europa destaca-se claramente do resto do mundo como a que menos nascimentos tem

A Europa é o continente onde o crescimento populacional é menor no mundo inteiro. Não é propriamente uma novidade, mas visto num mapa dá uma ideia mais significativa relativamente às disparidades entre os diversos continentes. Recorrendo aos dados do Banco Mundial, da ONU e da CIA, o Telegraph elaborou um mapa interativo onde se mostra um cenário que preocupa – e muito – os governos europeus.

O Velho Continente é mesmo o que menos tem crescido em número de população nos últimos anos. Segundo estes dados, a Europa só tem um crescimento populacional anual de 0,2%, enquanto o mundo no seu todo alcança os 1,2% de aumento.

chart (1)

Isto é resultado direto das baixas taxas de natalidade verificadas na Europa, em especial em países como a Alemanha e a Itália (8,4 por mil), Portugal (8,5 por mil) e Sérvia (8,6 por mil), que são aqueles onde nascem menos crianças no continente e que têm, todos, crescimento negativo da população.

Os dados constantes do mapa são relativos a 2012. Segundo as últimas estatísticas do INE, a taxa bruta de natalidade em Portugal era de 7,9 por mil em 2013, números que, aliás, serviram de justificação ao Governo para a recente reforma do IRS.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.