Philip Hammond, equivalente britânico ao ministro dos Negócios Estrangeiros, considera que os sinais na Ucrânia “não são bons” e apelou em Lisboa para que todas as partes envolvidas no acordo de Minsk da semana passada cumpram o acordo e baixem as armas. Caso o cessar-fogo não seja cumprido, o britânico diz mesmo que há que reforçar as sanções europeias contra a Rússia e prolongá-las até ao final de 2015.

“Descobrimos uma arma tão poderosa como tanques”, disse o governante do Reino Unido em conferência de imprensa conjunta com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete. Hammond defende que as sanções devem ser aplicadas e “mantidas por todos os Estados-membros” da União Europeia, rejeitando para já qualquer intervenção militar – “Essa decisão é para os governos nacionais e, para já, o Reino Unido não prevê o envio de armas ou tropas”.

“Até a Rússia e os separatistas cumprirem, a UE tem de se manter unida para implementar as sanções”, afirma Hammond.

Nesta audiência no Palácio das Necessidades, o Reino Unido veio em busca de apoio para as reformas que pretende que sejam implementadas na União Europeia até 2017, data possível para o prometido referendo que vai perguntar aos britânicos se pretendem ou não, continuar na União. Machete disse que para Portugal isto não é uma “prioridade”, mas que o tema se pode continuar a discutir.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Machete afirmou ainda que a livre circulação é uma das fitas vermelhas – ou limites inultrapassáveis – para Portugal no quadro comunitário, mas também neste ponto compreende as preocupações do Reino Unido que pretende limitar os benefícios dos trabalhadores e desempregados dos restantes parceiros europeus devido a “abusos” no seu sistema de segurança social.

Como a mais antiga aliança do Mundo, Hammond assegurou ainda que vai ficar ao lado de Portugal na questão da União da Energia que pode beneficiar a Península Ibérica – permitindo exportar energia para além dos Pirinéus – e ainda o reforço da segurança no Golfo da Guiné, apoiando a iniciativa portuguesa junto do Conselho de ministros da União Europeia.