Os 49 arguidos, oito dos quais em prisão preventiva, estão a ser julgados pela alegada prática dos crimes de tráfico de droga agravado, branqueamento de capitais e posse de armas ilegais.

Segundo a acusação, os alegados traficantes cometeram os crimes entre 2010 e 2013, ano em que acabaram detidos pela PSP do Porto, após 77 buscas domiciliárias.

O presumível líder do grupo, de 27 anos, detido no Estabelecimento Prisional de Custoias, contava alegadamente com a rede para lhe vender a droga, atividade que lhe trouxe lucros “avultados” e que lhe permitiu investir em imóveis, carros de luxo e aplicações financeiras.

A leitura do acórdão estava agendada para 13 de fevereiro, mas o tribunal adiou-a porque quis ouvir novamente uma testemunha envolvida no processo.