Angola

Não há garantias de eletricidade para Cabinda

A informação sobre este processo foi prestada pelo ministro da Energia e Águas de Angola em resposta à pergunta sobre a falta de energia em Cabinda.

Cabinda pode ficar sem energia elétrica por falta de garantias do Congo.

JAWAD JALALI/EPA

A falta de garantias do Governo da República Democrática do Congo está a inviabilizar a importação de energia elétrica por Angola, a partir da barragem do Inga, localizada naquele país vizinho, disse esta terça-feira, em Luanda, fonte governamental.

A informação sobre este processo, cujas negociações iniciaram em 2006, foi prestada pelo ministro da Energia e Águas de Angola, João Baptista Borges, em resposta à pergunta sobre a falta de energia na província angolana de Cabinda.

João Baptista Borges, que foi questionado por deputados sobre a falta de energia naquele enclave, no âmbito das discussões na especialidade da revisão do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2015, disse que há todo o interesse de Angola em importar energia da barragem do Inga.

Segundo o governante, os últimos desenvolvimentos apontam para uma solução de parceria público-privada, por constituição de um consórcio para a construção da linha entre o Inga e a fronteira de Cabinda, cabendo ao Estado angolano construir a linha dentro daquela província.

“Entretanto, este processo não tem avançado na medida do nosso interesse, porque não há garantias da parte congolesa e não havendo garantias nenhum investidor privado vai investir cerca de 100 milhões de dólares [89,3 milhões de euros] a construir uma linha para depois não ter energia para escoar”, referiu o ministro.

O ministro angolano reiterou que “não resulta só do interesse de importar energia do Inga, mas também das disponibilidades e garantias reais que a outra parte possa oferecer para que o projeto possa ser viável”.

As negociações entre os dois governos sobre este projeto foram retomadas em 2010, quatro anos após o lançamento do processo.

Na altura, o Governo angolano precisou que a energia importada da barragem do Inga tinha como objetivo desenvolver a província de Cabinda, criando condições para o seu relançamento industrial, para a construção de um porto de águas profundas, um porto mineiro, bem como potenciar os setores agrícola e madeireiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)