Consumo

Os portugueses reclamam mais. Principal alvo: empresas de telecomunicações

Foram mais de 549 mil os portugueses que entraram em contacto com a DECO em 2014, uma subida de 10%. Telecomunicações ainda no topo da lista.

Em 2014, a DECO recebeu 3.546 denúncias

© Andreia Reisinho Costa

Em 2014, a DECO (Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor) registou um aumento de quase 10% nos contactos feitos por consumidores portugueses. À semelhança dos anos anteriores, o setor que mais queixas recebeu foi o das telecomunicações.

Ao longo de 2014, a DECO recebeu um total de 549.209 contactos, o que corresponde a um aumento de 9,5% face a 2013. Só em denúncias, a associação recebeu 3.546 e em pedidos de informação (telefónicos e não só) quase 525 mil. Estes contactos englobam reclamações e pedidos de informação, mas não só. Durante o ano passado, a DECO serviu de mediadora a quase 19 mil contactos e interveio ainda em 1.863 situações fora do seu âmbito de atuação.

DECO

© Andreia Reisinho Costa

Mas essa subida não é de agora. Já em 2013, a associação tinha notado um aumento de 15% nas denúncias, com 434.840 contactos registados. Por outro lado, em 2012, foi registado um aumento de 19%, com 434.840 contactos realizados.

Para a associação, estes números mostram que o “novo consumidor português é mais esclarecido e informado”, e também “mais atento às tendências do mercado”. Apesar disso, “continua a enfrentar conflitos já recorrentes”, que são um reflexo das “condições económico-sociais” que o país enfrenta.

Estes “conflitos já recorrentes” dizem sobretudo respeito ao setor das telecomunicações. Graça Cabral, assessora de imprensa da DECO, explicou ao Observador que este é, sem dúvida, o setor que mais denúncias origina. Algumas destas denúncias incluem reclamações por dupla faturação ou por problemas na mudança contratual, um dos principais problemas. Segundo a associação, as empresas de telecomunicações “empurram” os consumidores para a “refidelização que, quase sempre” acontece “sem informação prévia e sem benefícios para os titulares”.

Os serviços de compra e venda, de interesse geral (nomeadamente os serviços de fornecimento de energia) e a banca, foram também alguns dos setores mais referidos pelos queixosos. Neste último, a maioria das reclamações foram feitas por clientes do Banco Espírito Santo (BES) que, na sequência da crise do banco, viram os seus interesses serem lesados. Desde o início deste ano, a DECO já avançou com duas ações judiciais, representando em tribunal os acionistas do banco. Para além disso, já participou também em várias mediações, procurando fazer com que os clientes do BES sejam indemnizados pelas suas perdas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)