Rádio Observador

Aníbal Cavaco Silva

Cavaco Silva aponta 2014 como “um ano de viragem”

Cavaco Silva afirmou que 2014 foi um ano de viragem para Portugal, dirigindo-se aos representantes da comunidade portuguesa em Paris.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O Presidente da República dirigiu-se aos representantes da comunidade portuguesa em Paris afirmando que Portugal, após um período difícil, conseguiu uma viragem no ano de 2014.

“Portugal, depois de passar por um tempo bem difícil, nos últimos três anos, conseguiu uma viragem no ano de 2014. 2014 foi um ano de viragem, Portugal cumpriu todos os compromissos para com as entidades internacionais na sequência de um empréstimo que lhe foi feito”, disse Aníbal Cavaco Silva perante representantes da comunidade portuguesa em França, que se estima serem mais de um milhão.

O chefe de Estado lembrou que Portugal “não necessitou de um segundo resgate, conquistou a credibilidade dos mercados” e “consegue hoje financiar-se a taxas de juros baixas para satisfazer as suas necessidades”.

Num discurso proferido na embaixada de Portugal, perante uma centena de representantes da comunidade portuguesa em França, Cavaco Silva continuou a sua mensagem sublinhando que 2014 foi o ano em que “a economia começou a crescer”.

“Começámos a criar emprego, o desemprego começou a baixar, equilibrámos as nossas contas externas, baixámos significativamente o défice das contas públicas, as nossas exportações aumentaram substancialmente, os nossos empresários e trabalhadores demonstraram uma garra que os levou a enfrentar as fragilidades do consumo interno e foram para mercados internacionais, muitos deles fora do espaço da Europa”, afirmou.

Neste sentido, o chefe de Estado disse que o país conta com as comunidades portuguesas no estrangeiro para ajudar “nesta nova fase de consolidação duma trajetória de aproximação aos níveis da União Europeia”.

Para o Presidente da República, a comunidade portuguesa que vive e trabalha em França “cresceu e diversificou-se, mas acima de tudo ganhou influência e visibilidade na política, na vida cívica e influência na economia e também na cultura e nunca perdeu a ligação a Portugal”, procurando visitar o país todos os anos.

Oito dias depois de ter assinalado o quarto ano do segundo mandato como Presidente da República, Cavaco Silva elogiou a comunidade portuguesa, afirmando que é dinâmica e bem integrada na sociedade.

“Noto que empresas francesas, grandes empresários escolhem Portugal para realizar investimentos e têm também em mente a reputação, o respeito que lhes merecem os portugueses, os lusodescendentes. Como sabem são muitas as empresas francesas que operam em Portugal, cerca de 600 empresas francesas têm investimentos significativos em Portugal criando milhares e milhares de empregos”, acrescentou.

Neste encontro estiveram eleitos locais, os deputados eleitos pelo círculo da Europa Paulo Pisco (PS) e Carlos Alberto Gonçalves (PSD) e presidentes de associações empresariais.

Cavaco Silva está a realizar uma visita de dois dias a Paris, tendo hoje estado numa reunião do conselho da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE).

Na terça-feira, encontra-se com o homólogo francês, François Hollande.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Política

Manual de evasão governamental /premium

Rui Ramos
527

A estagnação da economia e a estatização da sociedade tinham de dar nisto, numa política reduzida a um círculo fechado de amigos e de parentes. Mas em vez de enfrentarmos isso, ataquemos Cavaco Silva.

Governo

Como impedir o "bingo da trafulhice"? /premium

Luís Rosa
238

Podemos mesmo confiar em políticos que não quiseram defender a transparência e querem agora construir às três pancadas' uma lei para evitar novos familygate? Só pode ser uma receita para o desastre.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)