A candidatura de Portugal a uma das maiores extensões da plataforma continental tem colocado o País no centro de interesses de vários serviços de informações de outros países. A espionagem, refere o Relatório Anual de Segurança Interna relativo, foi em 2014 uma ameaça à Segurança Interna ao mesmo nível do terrorismo, da proliferação de armas de destruição maciça e de organizações extremistas.

Segundo relatório disponibilizado esta terça-feira, a chamada espionagem económica é “uma realidade cada vez mais presente” e Portugal tornou-se um centro de interesse de outros países que querem saber mais. Procuram “as potencialidades, os recursos naturais, os operadores económicos, os projetos em curso e os seus intervenientes”, lê-se no relatório elaborado pelo Gabinete Coordenador de Segurança, liderado pela secretária geral de Segurança Interna, Helena Fazenda.

Há mesmo quem, de forma clandestina, passe informações sobre recursos humanos que são, assim, aliciados a trabalhar para empresas estrangeiras.

O ambiente de crise económica criou condições favoráveis para o acesso não-autorizado ao conhecimento científico com elevado potencial económico para o tecido empresarial português, propiciando a transferência de conhecimento e de recursos humanos para empresas estrangeiras, em alguns casos a coberto de atividades clandestinas de recolha de informação sensível”, refere o gabinete que tem por missão coordenar as forças e serviços de segurança.

Além da espionagem económica, as autoridades preocupam-se, também, com a “informação sensível nos tradicionais planos político e militar”, assim como no económico. E reconhecem que há “meios técnicos cada vez mais sofisticados que lhe conferem maior capacidade de recolha de dados, ao mesmo tempo que torna mais difícil identificar e localizar os seus agentes”.

Em 2014, os serviços de informações de todo o País tentaram munir-se de armas para evitarem ataques cibernéticos. Motivo: acréscimo de riscos de ataques de natureza cibernética contra infraestruturas críticas, organismos estatais, organizações internacionais de segurança e defesa, bem como de empresas e de unidades académicas e de investigação de valor estratégico. Desconhece-se, para já, se o conseguiram.

O relatório dá conta, ainda, da espionagem clássica, de foro político e militar, na consecução dos interesses geoestratégicos dos Estados. Também esta tem ganhado “nova dinâmica no atual contexto europeu”. As autoridades esperam que possa vir a verificar-se em Portugal, “com o objetivo de recolher informação sensível de natureza política, que possa antecipar as posições do Estado português em determinados assuntos de relevância internacional, nomeadamente no que se refere aos conflitos armados e à definição das prioridades do Governo português em matéria de política externa”.