Cinco dos maiores bancos do mundo – o UBS, o Royal Bank of Scotland, o Barclays, o JPMorgan Chase e o Citigroup – preparam-se para assinar um acordo extra-judicial com o Departamento de Justiça dos EUA para evitar ir para tribunal na sequência de uma investigação a alegados crimes de manipulação de mercado, neste caso, nas taxas de câmbio. O acordo passará pela admissão de culpa, o que não livrará os bancos de multas que ascendem a um total de cinco mil milhões de dólares (cerca de 4.500 milhões de euros).

O acordo extra-judicial, que segundo a imprensa norte-americana poderá ser anunciado esta quarta-feira, está a ser negociado há vários meses, entre os bancos e o Departamento de Justiça dos EUA. O processo parte de uma investigação que revelou que os operadores do mercado cambial destes bancos trocavam mensagens instantâneas em que passavam informação confidencial sobre ordens de compra e venda lançadas por clientes. Com essa informação, os operadores gizavam estratégias para lucrar com transações orquestradas em prejuízo do restante mercado e dos próprios clientes.

Os juristas estão a preparar cuidadosamente a formulação das declarações de culpa, por um lado indo ao encontro das exigências do Departamento de Justiça mas, por outro lado, procurando assegurar que a admissão de culpa não origine processos similares futuros ou processos de clientes. Os valores das multas também estão a ser negociados, sendo que o valor total de cinco mil milhões de euros corresponde ao que várias fontes próximas do processo estão a admitir.