Mais de 1.400 pessoas foram investigadas pelas autoridades britânicas por suspeitas de terem abusado sexualmente de menores. Entre os suspeitos, avançou esta quarta-feira o The Guardian, estão 76 políticos, 43 pessoas do meio musical e 135 ligadas à indústria televisiva, cinematográfica ou radiofónica. Para já, apenas seis nomes foram identificados: Fred Talbot, Jimmy Savile, Rolf Harris, Max Clifford, Gary Glitter e Stuart Hall.

Todos já foram suspeitos ou acusados de crimes de abuso sexual, e até mesmo condenados a cumprir penas de prisão. Gary Glitter, um cantor de rock inglês que conheceu os picos de popularidade nas décadas de 1970 e 1980, por exemplo, já cumpriu penas de prisão (em 2006 e 2015) por crimes de abuso de menores e de tentativa de violação.

Os trabalhos, que estão a decorrer, inserem-se na Operation Hydrant (Operação Boca de Incêndio, em tradução literal). A operação foi criada pelo Conselho Nacional de Chefes da Polícia e, em suma, escreve o mesmo jornal, ainda estará, sobretudo, numa fase de recolha informações vindas de dezenas de investigações, e não propriamente executar uma investigação própria.

Fred Talbot é um antigo apresentador de televisão, Max Clifford um especialista em relações públicas, Rolf Harris é um músico, ator e comediante australiano e Jimmy Savile, já falecido (2011), era um famoso DJ e apresentador televisivo.

Simon Bailey, que chefia esse conselho, sublinhou que o número de casos “referenciados” estão a “aumentar a um ritmo quase diário”. Ao todo já foram identificados 1.433 suspeitos, dos quais pelo menos 216 já estão mortos. Sabe-se também que 154 casos terão ocorrido em escolas.