Rádio Observador

Lisboa

Basílio Horta eleito presidente do conselho metropolitano de Lisboa com oposição da CDU

O presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, foi eleito, por maioria, presidente do conselho da Área Metropolitana de Lisboa, apesar da oposição expressa dos autarcas da CDU.

"O conselho metropolitano terá apenas uma voz, que é a voz que for decidida por todos nós", afirmou, após a eleição, Basílio Horta

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta (PS), foi eleito, por maioria, presidente do conselho da Área Metropolitana de Lisboa (AML), apesar da oposição expressa dos autarcas eleitos pela CDU.

A candidatura de Basílio Horta ao conselho metropolitano, apresentada pelos eleitos socialistas dos 18 municípios da AML, teve nove votos a favor e nove votos contra, mas na votação ponderada, em que cada câmara representa também o número de eleitores, foi aprovada a eleição do autarca de Sintra.

“O conselho metropolitano terá apenas uma voz, que é a voz que for decidida por todos nós”, afirmou, após a eleição, Basílio Horta.

A candidatura do autarca de Sintra – que sucede no cargo a António Costa, depois deste ter deixado Câmara de Lisboa para assumir a liderança do PS – foi aprovada por 67,13% na votação ponderada, representativa de 1,613 milhões de eleitores, contra 32,87%, correspondente a cerca de 790 mil eleitores da AML.

“O conselho metropolitano tem de ter a consciência da sua força, da sua força social e da sua força política. Representamos uma grande parte da população portuguesa e, nessa perspetiva, temos de ser unidos”, defendeu Basílio Horta, embora preconizando o respeito pelas competências de cada um dos municípios.

O autarca salientou que a área metropolitana deve percorrer o caminho de uma descentralização de competências que, à semelhança de outros países, permita discutir com as instâncias europeias a aplicação de fundos comunitários.

O presidente da Câmara do Barreiro, Carlos Humberto, explicou que os autarcas da CDU não apoiavam a proposta por entenderem que o PS sempre defendeu que a presidência do conselho metropolitano devia ser ocupada pelo presidente “da capital do país”.

Apesar de não concordar com a anterior metodologia socialista, Carlos Humberto notou que aquele argumento apenas visava “afastar a CDU da presidência” da AML e notou que o autarca de Sintra “não tem sido coincidente com as posições” do conselho metropolitano, nomeadamente em relação ao regime das 35 horas semanais na administração local.

Basílio Horta esclareceu que sempre respeitou as deliberações da AML, sobre a descentralização, e que o seu município sempre adotou as 35 horas, “mesmo quando a lei exigia 40”, e que só assinou o acordo de entidade empregadora pública (ACEEP) com banco de horas e adaptabilidade porque essa condicionante está na lei.

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina (PS), que substituiu António Costa na autarquia mas manifestou-se indisponível para presidir ao conselho, considerou que a solução “mantém os equilíbrios de poder” e, apesar de eventuais divergências ideológicas, pode assegurar “os consensos e os pontos de convergência” na AML.

“O conselho metropolitano precisa de estabilidade, precisa de alguém que possa gerar consensos, e que nos possa ajudar nos tempos difíceis”, afirmou, na apresentação da candidatura, Susana Amadora, presidente da Câmara de Odivelas, notando que Basílio Horta pode ajudar na “afirmação” dos territórios da AML.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)