Rádio Observador

Carlos Costa

PS: “É a nomeação mais partidarizada de sempre”

594

O PS diz que não foi informado pelo primeiro-ministro da escolha de Carlos Costa e espera que a avaliação no Parlamento possa ter efeitos na recondução do governador.

TIAGO PETINGA/LUSA

Os socialistas não gostaram de ver Carlos Costa reconduzido como governador do Banco de Portugal e querem que esta nomeação venha a ser reavaliada na Assembleia da República. Pedro Nuno Santos, vice-presidente da bancada socialista, teceu duras críticas à decisão do Governo de renomear Carlos Costa, descrevendo mesmo a nomeação como “a mais partidarizada de um governador de sempre”.

Em declarações aos jornalistas, no Parlamento, o socialista disse que a maioria deveria ter ouvido a oposição nesta matéria, especialmente “numa altura em que mais se justificava um apoio alargado”, e lamentou que o “PS só tenha sido informado da nomeação apenas hoje de manhã”. Mais: Pedro Nuno Santos considera que o “primeiro-ministro forçou esta nomeação contra a aparente oposição” de membros do Executivo.

Entretanto, as novas regras para a nomeação do governador – aprovadas por iniciativa socialista – obrigam a que Carlos Costa seja ouvido no Parlamento, apesar de esta audição não ser vinculativa. Como PSD e CDS têm maioria no Parlamento, as esperanças do PS em que revejam esta decisão são poucas, mesmo assim, Pedro Nuno diz que esta audição “não deve ser um mero formalismo” e os dois partidos vão ter de explicar a mudança entre as avaliações negativas da ministra das Finanças e do vice-primeiro-ministro ao desempenho de Carlos Costa, e a nomeação. “A maioria tem de explicar o que mudou entre as conclusões da Comissão e esta nomeação”, afirmou o deputado socialista.

Esta posição dos socialistas tem vindo a ser defendida nos últimos meses, sobretudo durante a comissão de inquérito ao Banco Espírito Santo. O PS foi dos partidos mais duros a apontar responsabilidades ao governador, dizendo que este agiu tarde, conclusões que acabaram refletidas no relatório final da comissão de inquérito.

A decisão do Governo de renomear Carlos Costa aconteceu exatamente no dia a seguir ao governador ter estado na Assembleia da República num audição de balanço e onde foi questionado por diversas vezes sobre se aceitava ou não o cargo. Já esta quarta-feira se percebia que os socialistas se iriam opor à recondução do homem que foi escolhido pelo ministro socialista das Finanças Teixeira dos Santos em 2011. Na audição, o deputado Pedro Nuno Santos questionou mesmo Carlos Costa se este se sentia confortável em ser nomeado sem haver consenso alargado. A todas as perguntas, Carlos Costa não respondeu.

Mas as críticas não se ficaram por aqui e acabaram por chegar também ao Presidente da República. Nas declarações aos jornalistas, o deputado socialista considerou que agora ficou provado que as “declarações de solidez” dias antes da queda do Banco Espírito Santo não surgiram por “falta de informação”. O que, na opinião de Pedro Nuno Santos, ajuda a explicar por que razão “o Governo foi tão protegido na comissão parlamentar de inquérito quanto à medida de resolução adotada”.

Também Paulo Sá, deputado do PCP, se pronunciou sobre a renomeação de Carlos Costa, descrevendo a decisão como “verdadeiramente incompreensível” e sem “qualquer sentido”. “A comissão de inquérito deixou bastante claras as responsabilidades de Carlos Costa”, afirmou.

Ainda assim, o deputado comunista acredita que, independentemente da escolha do próximo governador do Banco de Portugal o problema não vai acabar por aqui. “O sistema de supervisão encontra-se capturado pelo sistema bancário e este problema não se resolve com uns pozinhos de supervisão”, defendeu Paulo Sá.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)