Rádio Observador

Festas de Lisboa

Trânsito condicionado e mais transportes públicos na noite de Santo António em Lisboa

O trânsito vai ser cortado em várias artérias a partir das 18h00. O serviço regular da Carris vai ser afetado ao longo do dia. Veja os horários da CP, metro de Lisboa e Carris.

© Hugo Amaral/Observador

A celebração da noite de Santo António em Lisboa vai provocar condicionamentos ao trânsito entre hoje e sábado, e motivar o reforço do serviço de transportes públicos da CP, do Metro, da Carris e da Transtejo.

Devido ao desfile das marchas populares, o trânsito vai estar condicionado a partir das 18:00 no eixo central da Avenida da Liberdade, na Rua Alexandre Herculano e na Rua das Pretas, e, meia hora mais tarde, vão fechar também ao trânsito automóvel o eixo central do Marquês de Pombal e a Praça dos Restauradores. Pelas 20:00, será cortada a circulação até ao Rossio.

A circulação nas vias de transportes públicos estará condicionada logo a partir das 14:30 e até às 18:00.

Entre as 18:00 de hoje e as 07:00 de sábado, os arraiais populares dos bairros de Alfama, São Vicente e Bica, em Lisboa, também vão provocar o encerramento do trânsito em 27 troços das freguesias de Santa Maria Maior, São Vicente e Misericórdia, segundo informação do município, disponível no seu ‘site’, no espaço de alertas (http://www.cm-lisboa.pt/alertas).

A partir das 20:00, a Avenida Ribeira das Naus vai ficar encerrada ao trânsito e os condicionamentos podem estender-se ao viaduto da Avenida Mouzinho de Albuquerque (nascente) e à D. Carlos I (lado poente).

Para dar resposta à grande procura por parte dos passageiros durante a noite de Santo António, a CP – Comboios de Portugal anunciou que vai reforçar a sua oferta nas linhas de Sintra e Cascais, onde a procura é mais significativa. À oferta regular acrescem os seguintes comboios: no percurso Rossio – Sintra às 02:30, 03:30, 04:30 e 05:30 e no sentido Cais do Sodré – Cascais às 02:30, 03:30 e 04:30.

Em relação ao Metro de Lisboa, a circulação vai ser reforçada em todas as linhas, a partir das 21:00, através da utilização de composições com seis carruagens, informou a Transportes de Lisboa, que agrega o Metro, a rodoviária Carris e a Transtejo/Soflusa (ligações fluviais). As estações de Arroios e Areeiro serão encerradas a partir das 21:00.

O serviço da Carris prevê “um reforço das carreiras da Rede da Madrugada, desde a 01:00 do dia 13 de junho”. Com partida no Cais do Sodré vão ser reforçadas as carreiras 206 (Senhor Roubado), 210 (Prior Velho), 201 (Linda-a-Velha), 202 (Portas de Benfica) e 207 (Lumiar). Na Praça da Figueira vai haver um reforço da carreira 208 (Oriente) e no Marquês de Pombal a medida recai sobre os percursos 736 (Senhor Roubado) e 207 (Lumiar).

Devido aos condicionamentos de trânsito, relacionados com a celebração dos Casamentos de Santo António, a realização das marchas populares e os restantes festejo, o serviço regular da Carris vai ser afetado ao longo do dia, esclareceu a empresa dia.

O grupo Transtejo também vai reforçar a oferta de lugares, a partir das 20:00, nas ligações fluviais de Cacilhas (Almada) e Barreiro, pondo a circular navios com maior lotação em função da procura.

Já no sábado, a missa solene em honra de Santo António, que se realiza às 12:00, na Sé, e a procissão pelas ruas de Alfama, a partir das 17:00, vão também provocar condicionamentos de trânsito, nos períodos entre as 11:00 e as 13:00, e entre as 15:30 e as 20:00, no Largo da Madalena, Rua das Pedras Negras, Largo de Santa Luzia, Rua do Barão, Rua São João da Praça, Cruzes da Sé.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)