Rádio Observador

Comissão Europeia

“O ímpeto reformista tem de ser mantido”, avisa Bruxelas

141

Nos últimos seis meses não houve "novas grandes iniciativas reformistas", mas Comissão nota "alguns progressos" em várias áreas. É preciso "manter o ímpeto reformista verificado durante o programa".

OLIVIER HOSLET/EPA

A Comissão Europeia alerta que o governo português deve manter o ritmo das reformas verificado durante o programa, caso contrário não terá sucesso em garantir o crescimento e a criação de emprego no médio prazo. Os técnicos de Bruxelas, que estiveram em Lisboa em meados de junho, dizem que apesar de “alguns progressos” registados nos últimos meses, é preciso fazer mais – incluindo em algumas áreas onde as reformas estão há vários anos a ser “adiadas ou atenuadas“.

“Ainda que não tenham havido quaisquer grandes iniciativas de reformas desde a primeira missão de monitorização [há seis meses], têm sido observados alguns progressos nos últimos meses na implementação de algumas reformas estruturais iniciadas durante o programa e que serão estímulos ao crescimento”, escreve a Comissão Europeia, no relatório da segunda missão de vigilância pós-programa, divulgado quinta-feira. Em especial, fala-se de reformas no mercado imobiliário e na redução da burocracia para as empresas. “A monitorização dos resultados [das reformas] na Educação também melhorou, tal como políticas ativas para o emprego (…) e na liberalização do mercado da eletricidade”, nota a Comissão.

O ímpeto reformista registado durante o programa tem de ser mantido, assegurando a implementação plena e eficaz de reformas que foram repetidamente adiadas e, em alguns casos, atenuadas“, avisa Bruxelas, referindo-se a áreas como “a avaliação das reformas estruturais, serviços e profissões reguladas, portos e Justiça”. São, também, necessários “mais esforços para reduzir o défice tarifário restante e fomentar uma negociação laboral mais flexível”.

Bruxelas preocupada com desaparecimento de medidas temporárias para o défice

Apesar de o governo garantir que o défice público não irá ultrapassar os 3% este ano (a previsão oficial é de 2,7%), a Comissão reitera que o valor será de 3,1%. “A Comissão mantém uma visão cautelosa quando aos frutos previsíveis de algumas medidas de consolidação orçamental contidas no orçamento de 2015 e medidas para combater a fraude fiscal em 2015. “Ainda que as autoridades tenham reiterado o seu compromisso em relação à consolidação orçamental, os esforços para reduzir o défice estrutural têm de ser reforçados”, diz Bruxelas.

Bruxelas está, em particular, preocupada com “os riscos relacionados com o cumprimento efetivo do Pacto de Estabilidade e Crescimento a partir de 2016 e além, sobretudo devido ao desaparecimento de algumas medidas de consolidação aplicadas durante o programa de ajustamento”. A Comissão dá a receita para que não haja problemas neste aspeto: “para assegurar um cumprimento duradouro com o Pacto, a consolidação fiscal deve focar-se na despesa primária, em particular através de novos aumentos da eficiência e da qualidade da despesa pública”.

A Comissão nota que “as reformas estruturais levadas a cabo durante o programa de assistência financeira estão, cada vez mais, a surtir efeito”. Mas continua a ser “um desafio” para as autoridades avançar com “a agenda de reformas de forma a potenciar ainda mais as perspetivas de crescimento a médio prazo, criação de emprego e competitividade”.

A Comissão manteve a previsão de um crescimento de 1,6% em 2015 e de 1,8% em 2016, mas adianta que é maior a probabilidade de que estes números sejam ultrapassados do que não serem atingidos. “Os riscos pendem ligeiramente para o lado positivo, tendo em conta o impacto positivo [da desvalorização] do euro e das condições de financiamento favoráveis”, diz Bruxelas.

O principal obstáculo para o crescimento da economia é a “necessidade de desalavancagem” na economia, ou seja, a redução dos níveis de endividamento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)