Fim de semana à porta. Muitos estarão já a fazer planos para passar o dia na praia. Na mala estarão a toalha, os chinelos, alguns refrescos e o protetor solar. Porque nunca é demais, clarificamos quatro ideias sobre a proteção e exposição ao sol, sugeridas pelo El País.

    • Maquilhagem sim, mas não logo a seguir. É preciso esperar 5 a 10 minutos para o protetor ser absorvido antes de aplicar a maquilhagem. Senão, ao passar a esponja da base ou ao passar as mãos na cara a espalhar a base, pode retirar a proteção, explica Elaine Ferreira, do grupo de cosméticos Prima-Derm. Também pode usar maquilhagem com fator +50 ou base líquida que tenha proteção solar de 90, sugere Paloma Cornejo Navarro, chefe da unidade de dermatologia do Instituto Medico Laser (IML) espanhol.
    • Os suplementos de vitaminas não substituem o protetor. Há complexos vitamínicos de betacaroteno, uma das formas de se obter vitamina A, para conseguir um bronzeado mais rápido. Mas estes suplementos não asseguram a proteção solar. Já a alimentação pode ajudar a reforçar as defesas do organismo e a evitar o envelhecimento prematuro da pele. “Nesta altura é importante aumentar a ingestão de alimentos ricos em licopeno e betacarotenos, como tomate, melancia ou cenoura, que estimulam a produção de colagénio, que ajuda à recuperação da pele depois da exposição ao sol”, salienta Ricardo Vicario, membro das Clínicas Vicario.
  • E o chá verde protege a pele? Vários estudos, feitos em animais, têm mostrado que os polifenóis presentes no chá verde ajudam a proteger a pele dos efeitos nocivos dos raios ultra-violeta. Mas as dúvidas permanecem. A verdade é que as catequinas presentes no chá verde têm propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.
  • Sou morena, por isso não preciso de pôr protetor. Quem é morena, mais morena quer ser. E quem é morena acha que precisa de pôr menos protetor do que quem tem um tom de pele mais claro. Isto é verdade, mas se quem for morena não puser protetor vai sofrer com a exposição ao sol. Mais: por uma pele morena não ficar escaldada, não significa que o sol não tenha implicações no envelhecimento da pele. Conta o El País que um estudo da Douglas Sun concluiu que os raios UVA e UVB penetram de forma igual em todas as peles, com repercussões a nível celular. O envelhecimento e o cancro da pele causados pelo sol afetam também as peles de cor mais escura, sublinha o jornal espanhol.