Economia

Alemanha e Itália alinhados sobre salvação do euro: um Ministério das Finanças da zona euro

376

Alemanha admite criar um "imposto europeu", a ser gerido por um ministro das Finanças europeu. Itália diz que a união política é a única forma de salvar o euro. França quer liderar "nova Europa".

AFP/Getty Images

A Alemanha está disponível para discutir “seriamente” a criação de um Ministério das Finanças da zona euro, noticiou este fim de semana a revista alemã Der Spiegel. Essa possibilidade implicaria, contudo, “alterações nos tratados europeus”, mas também o ministro italiano das Finanças, Pier Carlo Padoan, defendeu no domingo que “caminhar a direito no sentido de uma maior união política” é a única forma de fazer a zona euro funcionar, no rescaldo da crise da dívida.

O ministro alemão Wolfgang Schäuble está aberto à ideia de transferir “recursos financeiros substanciais” das receitas fiscais obtidas na Alemanha para um orçamento paralelo para toda a zona euro. Em causa poderia estar a transferência de parte das receitas com impostos sobre o rendimento (IRS) e com os impostos de valor acrescentado (IVA).

A informação foi transmitida à revista por fontes próximas de Schäuble e do Ministério das Finanças alemão. Porta-voz do Ministério de Schäuble não comentou a notícia, salientando que esta é uma discussão que está numa fase muito preliminar. “Questões específicas em discussão têm de ser vistas no seu contexto global e podem carecer de alterações nos tratados europeus”, disse a porta-voz.

Quem mostrou concordar com uma maior integração política na zona euro foi Pier Carlo Padoan, ministro das Finanças de Itália. “Alguns acreditam que a zona euro funcionará bem com mais ou menos pequenos ajustes, mas eu penso que isso não chega”, afirmou Padoan, citado pelo Financial Times.

O facto de se ter encarado de frente a possibilidade de saída de um membro da zona euro ainda torna mais importante que se “caminhe a direito no sentido de uma maior união política”. “A saída e, portanto, o fim da irreversibilidade, é agora uma possibilidade. Não devemos enganar-nos a nós próprios”, afirmou Pier Carlo Padoan, acrescentando que “se queremos eliminar esse risco [de saída de países do euro], teremos de ter um euro diferente – um euro mais forte”.

França apresenta propostas da “vanguarda” em outubro

Já é conhecida a intenção de François Hollande, o Presidente francês, de criar um grupo de países europeus – “aqueles que querem ir mais longe” – para avançar com novas medidas de integração fiscal e social na zona euro. Em outubro, Paris deverá apresentar medidas que incluem um salário mínimo europeu e regras harmonizadas para os impostos sobre as empresas.

Segundo o El País, Espanha estará entre estes países da “vanguarda” europeia, juntando-se aos países fundadores da comunidade económica europeia. Além das medidas específicas já mencionadas, François Hollande defende uma reformulação do Parlamento Europeu e um orçamento europeu a que aderirão os países que manifestarem essa vontade e cuja entrada seja validada pelos outros países.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)