O Banco Central da China voltou a intervir no mercado para tentar estancar a sangria que se faz sentir na Bolsa chinesa, e as repercussões que tem tido nos mercados a nível mundial, e aplicou o quinto corte na taxa de juro para os empréstimos e os depósitos a um ano em 0,25 pontos percentuais.

Depois de mais uma segunda-feira negra para os livros de história económica, o Banco Central da China voltou a agir para tentar controlar os danos, algo que tem feito, sem sucesso, nos últimos meses.

Agora, as autoridades chinesas decidiram cortar as taxas de juro, tanto para os empréstimos a um ano, como para os depósitos, em 25 pontos base. A taxa de juro aplicada aos empréstimos desce para 4,6%, enquanto a taxa de juro aplicada aos depósitos passa para 1,75%.

O banco central decidiu ainda cortar o nível de dinheiro que os bancos têm de manter como reserva, que sofre um corte de meio ponto percentual, para os 18%, o terceiro corte que sofre este ano.