Os membros do Regimento de Segurança Presidencial (RSP) do Burkina Faso, que tomaram como reféns o Presidente e o primeiro-ministro na quarta-feira, anunciaram ter “dissolvido” as instituições da transição e prometeram organizar “eleições inclusivas”.

O tenente-coronel Mamadou Bamba apareceu na televisão nacional para declarar que um novo “Conselho Nacional da Democracia” pôs fim “ao regime desviante da transição” e que “o Presidente da Transição foi demitido das suas funções”.

“O Governo da Transição (…) e o Conselho nacional da Transição foram dissolvidos. Amplas conversações estão a ser levadas a cabo para formar um Governo (…), para levar a eleições inclusivas e apaziguadoras”, disse.

A ONU, a União Africana (UA) e a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAI) exigiram na quarta-feira a libertação imediata do Presidente interino do Burkina Faso e do primeiro-ministro feitos reféns no mesmo dia por militares em Ouagadougou.