A Terra tapou o Sol e a Lua ficou vermelha, pela quarta vez em pouco mais de ano e meio, mas as profecias falharam e o mundo não acabou. O Observador aproveitou para registar aqui os pontos mais importantes do evento e as imagens da noite.

Se também tem fotografias da Lua que gostasse de partilhar connosco envie-as, com autor e local, para lsantos@observador.pt.

  • Todos os meses a Lua passa no perigeu (o ponto mais próximo da órbita à volta da Terra), mas este é o mais curto de 2015.
  • Quando o perigeu e a Lua cheia calham na mesma altura forma-se uma superlua: parece 14% maior e 30% mais brilhante.
  • Esta é a segunda de três superluas de 2015.
  • Todos os anos acontecem dois eclipses da Lua, mas raramente são totais.
  • No espaço de dois anos consecutivos, aconteceram quatro eclipses lunares totais – tetrada.
  • O perigeu, a Lua cheia e o eclipse aconteceram próximos no tempo (cerca de uma hora de diferença), dando origem ao eclipse de uma superlua.
  • Este fenómeno é tão pouco frequente que a última vez foi em 1982 e a próxima será em 2033.