A eurodeputada Marisa Matias vai ser candidata presidencial do BE para forçar uma segunda volta e “quebrar um ciclo bafiento”. O BE tentou nos últimos meses que houvesse uma candidatura única de toda a esquerda, mas não conseguiu.

A minha preferência – e a aposta para a qual o Bloco trabalhou – foi a de que existisse uma única candidatura à esquerda que juntasse forças. Se há três meses isso era viável, hoje esse cenário infelizmente não existe”, revelou Marisa Matias, este domingo, ao Esquerda.net.

O nome da eurodeputada foi anunciado pela coordenadora do BE, Catarina Martins, que elogiou o perfil de Marisa Matias, nomeadamente, na área dos direitos humanos e do conhecimento de “esquemas de fraude fiscal e poder económico paralelo na Europa que fazem um verdadeiro assalto aos povos europeus”.

É uma irresponsabilidade estender a passadeira vermelha a um comentador televisivo com ideias retrógadas“, disse, referindo-se a Marcelo Rebelo de Sousa, que, segundo a resolução política aprovada na mesa nacional, “representa o PSD e os grandes grupos económicos, bem como o conservadorismo que se opôs a conquistas essenciais de direitos humanos como a despenalização da interrupção voluntária da gravidez”.

Aos jornalistas, Catarina Martins explicou que “não há, à esquerda, nenhuma candidatura suficientemente mobilizadora e abrangente que pusesse em causa uma eventual vitória da direita à primeira volta“. Por essa razão, o partido apresenta uma candidatura própria “para acordar o país”. “O BE não pode faltar à chamada e à responsabilidade”, acrescentou.

Lamentando que não esteja a haver grande mobilização à esquerda, a dirigente bloquista sublinhou que quer também combater “o grande drama da abstenção” e, por isso, a candidatura de Marisa Matias vai centrar-se em temas concretos, como “a captura de decisões nacionais por acordos internacionais não sufragados, a corrupção e os direitos humanos“.

Marisa Matias tem 39 anos, é eurodeputada desde 2009 e é doutorada em Sociologia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra com a tese: “A natureza farta de nós? Saúde, ambiente e novas formas de cidadania”.

Em declarações ao Esquerda.net, Marisa Matias afirmou este domingo que irá “mobilizar muitos votos que porventura não se mobilizariam por nenhuma das outras candidaturas” e “tentar somar votos que podem vir a revelar-se decisivos para que todo este vasto sector consiga ultrapassar os 50%”.

“Não me candidato para subtrair. Candidato-me para somar. Somar novas forças às outras forças, porque todas são necessárias para que o candidato da direita não ganhe a presidência, muito menos sem passar por um exigente debate democrático. Para que este país de nova esperança não volte para trás”, disse.

Marisa Matias é, até agora a candidata presidencial mais nova. Já se apresentaram às eleições de janeiro de 2016, Edgar Silva (53 anos), António Sampaio da Nóvoa (61 anos), Maria de Belém Roseira (66 anos), Marcelo Rebelo de Sousa (66 anos), Henrique Neto (79 anos) e Paulo Morais (51 anos).

Catarina Martins aproveitou ainda para comentar a evolução das negociações com o PS para um Governo de esquerda, mostrando-se “otimista”.