Não é a primeira vez que acontece. Maria José Morgado já tinha substituído Francisca Van Dunem como diretora do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa  2007. Agora é a vez de Morgado ocupar o cargo de procuradora-geral distrital de Lisboa deixado vago por Van Dunem com a tomada de posse como ministra da Justiça.

A decisão foi tomada pelo Conselho Superior do Ministério Público por unanimidade, e em regime de comissão de serviço. A procuradora-geral Joana Marques Vidal apresentou mais dois nomes, tendo o Conselho escolhido Maria José Morgado a uma só voz.

Maria José Morgado estava a cumprir o seu terceiro mandato como diretora do DIAP de Lisboa e é procuradora-geral adjunta, o topo da carreira do Ministério Público (MP).

Agora será a responsável pela gestão do maior distrito judicial do país – que além das comarcas propriamente ditas de Lisboa, inclui ainda os Açores e a Madeira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Maria José Morgado é uma das caras mais conhecidas do MP, estando associada à luta contra a corrupção e à criminalidade econónimo-financeira desde os anos 90, altura em que, como procuradora no Tribunal da Boa Hora, em Lisboa, representou a acusação no julgamento de Carlos Melancia, ex-governadores de Macau, suspeito do crime de corrupção.

Do seu curriculum faz ainda a liderança da Direcção Central de Investigação à Corrupção e Infrações Económico-Financeiras da Polícia Judiciária onde foram abertos inquéritos contra Vale e Azevedo, ex-presidente do Benfica, e a Universidade Moderna, entre outros.

Antes de ser nomeada diretora do DIAP de Lisboa, Morgado foi também nomeada pelo então procurador-geral Pinto Monteiro para coordenar duas equipas especiais: uma dedicada ao processo Apito Dourado (relacionado com corrupção desportiva e que tinha mais de 50 certidões espalhadas por todo o país) e outra concentrada na investigação de irregularidades na Câmara Municipal de Lisboa.

A tomada de posse de Maria José Morgado como procuradora distrital de Lisboa ainda não tem data marcada e deverá ser precedida da nomeação do seu sucessor ou sucessora no DIAP de Lisboa. Até lá, Morgado vai continuar a desempenhar funções como diretora deste último departamento.