Rádio Observador

Receitas

Cupcakes de clementina e chocolate

179

Estiveram na moda, saíram de moda, mas a época que se aproxima é a ideal para voltar a pôr os cupcakes na mesa. Sobretudo se forem como estes, feitos com clementinas inteiras (cascas e tudo).

Teresa Rebelo

Como em quase tudo, também a culinária se faz por fases ou modas. Há uns anos um hit em qualquer festa de aniversário, o cupcake depressa perdeu protagonismo, talvez pelas suas coberturas muitas vezes exageradas e enjoativas — até do ponto de vista estético –, talvez pela crescente e generalizada preferência por doces mais saudáveis. Mas agora que vem aí a época mais indulgente do ano, temos álibi para voltar a pôr os cupcakes na mesa.

Estes até se comem sem culpa: são feitos com as clementinas inteiras, casca e tudo; a gordura que levam é azeite, e a cobertura (e o recheio) é uma simples ganache de chocolate preto.

Elegantes e deliciosos, tenho a certeza de que irão surpreender os seus convidados este Natal.

cupcake_clementina_b_2

Cupcakes de clementina e chocolate

Para 10

3 clementinas pequenas
3 ovos
130 g de açúcar
125 ml de azeite suave
200 g de farinha
1 colher de chá bem cheia de fermento

Para o recheio e  cobertura:

300 g de natas
300 g de chocolate de culinária (mínimo 52% cacau)

Pré-aqueça o forno nos 180º.
Prepare as forminhas de papel e distribua-as pelas cavidades de uma forma para queques.
Lave bem as clementinas e corte-as em quartos.
Retire as pevides que encontrar e triture as clementinas, com a casca, num robot de cozinha ou num liquidificador.
Junte os ovos e o açúcar e bata bem.
Adicione o azeite e volte a bater mais um pouco..
Adicione por fim a farinha e o fermento e bata a uma velocidade baixa ou então envolva estes ingredientes manualmente.
Distribua pelas forminhas de papel (encha-as até cerca de ¾) e leve ao forno entre 12 a 15 minutos.

Entretanto prepare a ganache de chocolate para o recheio e cobertura: parta o chocolate em pedaços e coloque-os numa taça de vidro ou metal.
Leve as natas ao lume num tachinho de fundo espesso, em lume médio, e assim que começarem a querer levantar fervura, coe-as diretamente para a taça do chocolate (coar as natas evita que passe para o chocolate aquela pele branca da gordura que vai ganhando à superfície).
Aguarde um ou dois minutos e depois mexa bem com uma vara de arames até obter um creme liso e brilhante. Deixe arrefecer.

Assim que o creme estiver frio, abra com uma faca de serrilha uma cavidade no centro de cada queque, reservando a massa que retirou, e coloque aí um pouco de ganache. Volte a tapar, pressionando um pouco.
Entretanto, deixe a restante ganache ganhar consistência. Quando vir que está moldável mas que aguenta a forma (pode colocar no frigorífico para acelerar o processo, mas o ideal é atingi-lo à temperatura ambiente), coloque-a num saco descartável de pasteleiro munido de um bico estrela largo, e decore os queques. Se quando for decorá-los, as formas de papel tiverem começado a descolar, o que por vezes acontece, retire-as e coloque os queques numa forminha de papel nova, para que fiquem mais bonitos.

Teresa Rebelo é autora do blogue Lume Brando

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)