O site Politico Europe, que trabalha maioritariamente noticias relacionadas com a União Europeia, fez uma lista com 11 dados surpreendentes relativo à vida dos europeus na UE, baseando-se num dos últimos relatórios do Eurostat. Chamou-lhe “Pessoas na União Europeia: quem somos e como vivemos?”.

1 – Vida doméstica: um e dois é bom, três é demais

Cerca de dois terços dos europeus vivem ou sozinhos ou apenas com uma pessoa. A Dinamarca é o país que regista mais pessoas a viverem sozinhas: cerca de 47% dos seus habitantes não vivem acompanhados. Quanto a cidades, é Oslo quem leva a medalha de ouro: 53% das pessoas que vivem na cidade são solitários.

2 – Casas de banho particulares? Nem todos têm.

Segundo o Eurostat, 10% das casas existentes na Roménia e na Bulgária não possuem qualquer casa de banho. Segundo o site que cita o relatório, só na Bélgica, Luxemburgo, Holanda, Suécia e Reino Unido é garantido encontrar uma casa com casa de banho. Nos outros países, nem todas têm.

3 – Os habitantes de Lisboa gostam de mudar de casa

Segundo o Politico Europe, os cidadãos de Lisboa e da zona leste de Londres são os mais recetivos a mudar de casa. Ainda sobre casas, o relatório adianta que quase 95% têm uma casa em seu nome (isto é, 95% das pessoas não vivem em casa alugada). Os belgas e os britânicos são os que vivem em casa mais antigas: 37% vivem em casas construídas antes de 1946. Mas, quanto a cidades com edifícios antigos, quem ganha é Copeganha e Paris: 68,1% e 59,7% dos edifícios das cidades, respetivamente, são ‘velhos’.

4 – Na Grécia, os que menos ganham gastam 70% do salário na casa

O Politico adianta ainda que na Grécia, 70% dos cidadãos que menos ganham têm custos de perto de 70% do seu vencimento com despesas relativas à casa. Ainda sobre habitações: as casas em zonas rurais da Áustria e do Luxemburgo têm em média mais 6.8 metros que as casas nas zonas cosmopolitas.

5 – Faltam casas para as pessoas da UE? Nem por isso

Segundo o relatório, uma em cada seis moradias existentes na União Europeia está por habitar: há milhões de casas livres em toda a Europa. A exceção, de entre os países, é o Reino Unido, onde, fora as zonas mais remotas, não há praticamente casas desabitadas. Regiões turísticas, como as ilhas Míconos e Santorini (Grécia) e no Vale de Aosta (Itália), estão entre as que, durante o ano, mais casas desabitadas têm.

6 – Somos um país envelhecido? A Alemanha ganha-nos

A Alemanha é o país com a mais alta média de idades, segundo o Politico Europe: 45.6 anos. Em sentido contrário, a Irlanda é o país com a média de idades mais baixa: 36.1 anos. Em 1994, a população com a média de idades mais alta era a sueca, que era de apenas… 38.4 anos, o que demonstra bem o envelhecimento da população da UE.

7 – A Lituânia é o país que está a perder mais habitantes

Segundo os dados do Eurostat, desde que se juntou à União Europeia, em 2004, a Lituânia perdeu 13,4% da sua população total: mais de um em cada dez habitantes. A Letónia segue de perto, com uma diminuição da população na ordem dos 12,1 por cento. Os maiores aumentos de população ocorreram em países pequenos: Luxemburgo e Chipre.

8 – Eslováquia, Holanda, França e Irlanda na liderança da natalidade

Segundo o relatório, pelo menos 70% do aumento de população nestes quatro países deveu-se à natalidade. Já na Itália, Áustria, República Checa, Luxemburgo, Espanha, Eslovénia, Suécia, Bélgica e Chipre, por sua vez, pelo menos 70% do aumento populacional deveu-se a imigrantes.

9 – Cada vez menos casamentos na Europa

Mesmo nos países com mais matrimónios da Europa – Malta e Chipre -, o número de casamentos diminuiu face à média de 1964, relata o site. Outro dado curioso: na Suécia, a média de idades dos homens quando casam é de 36 anos (e a das mulheres 33 anos).

10 – De onde vêm os estrangeiros da UE?

Segundo o Politico Europe, a maior comunidade de estrangeiros na União Europeia é marroquina: existem mais de 2 milhões de residentes legais por toda a UE. Em segundo está a comunidade de turcos e em terceiro a comunidade de russos. A fechar o top 5 está a Algéria, com mais de um milhão e meio de habitantes a residirem em território europeu. Destaque ainda para a Ucrânia e a Índia, que têm mais de um milhão de naturais a viver na UE.

11 – Onde há mais percentagem de estudantes no ensino superior? Na Estónia

Segundo o relatório da Eurostat, mais de 35 por cento dos residentes na Estónia concluíram o ensino superior, tornando-os o país com maiores qualificações académicas da União Europeia. Nada comparado com a Islândia, contudo, que não pertence à União Europeia: aí, mais de 50% das pessoas concluíram as suas licenciaturas.