A proprietária da central nuclear de Fukushima detetou índices de radiação 4.000 vezes superiores aos do ano passado na água de um túnel subterrâneo próximo do edifício de tratamento de resíduos daquela unidade.

Um porta-voz da Tokyo Electric Power (TEPCO) confirmou hoje à agência Efe que os dados revelam uma “alta densidade de césio” no ponto de observação adjacente à central japonesa, tendo a operadora indicando desconhecer, de momento, as causas do aumento, apesar de acreditar que não ocorreram derrames para o mar.

Nas amostras recolhidas no passado dia 03 de dezembro no túnel — onde se acumulam entre 400 e 500 toneladas de água contaminada, incluindo a arrastada pelo tsunami de março de 2011 — foram detetados 482.000 becquereis por litro de césio radioativo, um índice 4.000 vezes superiores aos medidos no ano passado.

Os dados também revelaram a presença de 500.000 becquereis por litro de outras substâncias emissoras de raios beta – 4.100 vezes mais do que os apurados no ano passado.

O túnel encontra-se perto das instalações utilizadas para armazenar temporariamente água altamente radioativa que arrefece o combustível nuclear fundido no interior dos reatores danificados.

A TEPCO assegurou que os índices de radiação na água armazenada são superiores aos registados no edifício em si e que foram entretanto adotadas as medidas necessárias para que não ocorram fugas de água.

Além de descartar derrames para o mar, a elétrica afastou a possibilidade de eventuais fugas para outros túneis, dado que os níveis de radiação na água subterrânea próxima não sofreram subidas.

A operadora indicou estar a investigar o caso a fim de determinar a causa do aumento.