O ministro da Defesa francês disse hoje que o grupo extremista Estado Islâmico está a avançar da costa para o interior da Líbia, com o objetivo de obter acesso aos poços de petróleo.

“Eles estão em Sirte, o território deles estende-se por 250 quilómetros ao longo da costa, mas eles estão a começar a penetrar no interior e a ser tentados pelo acesso a poços de petróleo e a reservas de petróleo”, disse Jean-Yves Le Drian à rádio RTL.

A 04 de dezembro, o ministro da Defesa francês advertiu contra o risco de aumento de combatentes do grupo extremista Estado Islâmico na Líbia, mas descartou a possibilidade de uma intervenção militar naquele país.

A Líbia é atualmente um Estado falhado, assolado pelo caos e pela guerra civil, desde que em 2011 a comunidade internacional apoiou um movimento rebelde contra a ditadura de Muammar Khadafi.

Desde as últimas eleições, que o poder está dividido entre dois governos, um com sede em Tripoli e outro, reconhecido pela comunidade internacional, em Tobruk.

Os dois governos são apoiados por grupos de islamitas, senhores de guerra, líderes tribais e traficantes de petróleo, armas, pessoas e droga.

Com a instabilidade no país, o grupo extremista Estado Islâmico e a organização Al-Qaida no Magrebe Islâmico aumentaram a sua influência na Líbia, ganhando poder territorial e contagiando a instabilidade a todo o norte de África.