No mês de novembro foi identificada uma bactéria na China, em pacientes e animais, capaz de resistir até ao poderoso colistina, que é também visto como o último recurso no que aos antibióticos diz respeito.

Agora, esta bactéria multirresistente foi descoberta no Reino Unido, dá conta a BBC. Apesar de tudo, as autoridades já esclareceram que a ameaça para a saúde humana é reduzida, mas as investigações vão continuar.

A mesma resistência identificada na China foi também observada em três quintas e em algumas amostras de infeções humanas na ilha britânica. O problema surge na medida em que a comunidade médica da Grã-Bretanha calculou, num primeiro momento, que esta bactéria demorasse cerca de três anos a espalhar-se desde a China.

O departamento de Saúde Pública de Inglaterra e a Agência de Saúde Animal e Vegetal começaram a estudar o caso recolhendo cerca de 24 mil amostras bacterianas do período entre 2012 e 2015. Depois da análise a este material, foi encontrado este tipo de resistência ao colistina em quinze destes casos. Na prática, a Agência de Saúde Animal e Vegetal descobriu a bactéria em três quintas de produção de porcos.

Mas e como diz o mesmo canal televisivo, estas notícias podem não surpreender visto que já tinham sido realizadas descobertas semelhantes em outras partes da Ásia, Europa e África para além da China. A principal preocupação associada a esta bactéria, é o possível fim da utilidade dos antibióticos, para além da evolução para infeções mais graves que sejam impossíveis de tratar através da medicina tradicional.