A Câmara dos Representantes do estado norte-americano de Delaware, de maioria democrata, rejeitou, com 23 votos contra e 16 a favor, um projeto de lei para abolir a pena de morte.

A iniciativa tinha conseguido o apoio do Senado estatal em maio do ano passado, com 11 votos a favor e nove contra.

O governador de Delaware, Jack Markell, que no passado chegou a ser defensor da pena de morte, tinha anunciado que apoiaria a abolição se os seus partidários conseguissem a maioria na Câmara dos Representantes.

“Esperava que a Câmara se apercebesse, como já o tinha dito, que a pena de morte é um instrumento de um sistema judicial imperfeito. Entendo que é uma discussão incrivelmente difícil e respeito todos os pontos de vista”, disse o governador após a discussão, na quinta-feira.

“Este não era o momento para abolir a pena de morte, mas acredito que esse momento chegará”, acrescentou Markell.

Desde que o Tribunal Supremo dos Estados Unidos reinstaurou a pena de morte há quatro décadas, Delaware executou 16 réus, o último em 2012.

Atualmente, Delaware tem 14 presos no corredor da morte, mas o estado tem duas dezenas de casos de pena capital pendentes, à espera de julgamento.

Por outro lado, um comité do Senado do Missouri deu luz verde a uma iniciativa semelhante, com o apoio de republicanos e democratas, para que a Câmara se pronuncie sobre a continuidade da pena de morte do estado.

O Missouri é um dos estados norte-americanos com mais execuções (86 desde 1976) e a última vez que os seus legisladores discutiram uma iniciativa deste género foi em 1970.

Há 28 presos no corredor da morte no Missouri.

A pena de morte está em vigor em 32 estados norte-americanos, tendo sido abolida dos restantes 18.