Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um avião da EgyptAir com 66 pessoas a bordo, entre elas um português, desapareceu dos radares na madrugada desta quinta-feira enquanto efetuava um voo de Paris para o Cairo.

O que se sabe:

  • Quem eram os passageiros? O avião carregava, ao todo, 66 pessoas, das quais 56 eram passageiros e dez eram membros da tripulação. A bordo do avião estavam ainda dois bebés e uma criança. Entre os passageiros havia um português, 30 egípcios, 15 franceses, dois iraquianos, um argelino, um belga, um britânico, um cidadão do Chade, um canadiano, um cidadão do Kuwait, um saudita e ainda um sudanês. A tripulação era constituída por um piloto e um co-piloto, cinco membros da tripulação de cabine e três membros da segurança.
  • O tipo de avião – O avião desaparecido era um Airbus A320 e foi construído em 2003. Embora seja considerado por especialistas como um avião seguro e de confiança, nos últimos tempos alguns modelos registaram incidentes. O avião da Germanwings, cujo piloto despenhou propositadamente, em 2015, era um Airbus A320, bem como o avião que teve de fazer uma aterragem de emergência no rio Hudson, nos Estados Unidos da América, em 2009.
  • As viagens do avião – Antes do voo entre Paris e o Cairo, o avião tinha realizado quatro viagens, na quarta-feira e não tinha sido registada nenhuma anomalia pela companhia ou pela tripulação. Segundo um comunicado da Airbus, o avião tinha 48.000 horas de voo. O comandante tinha 6.275 horas de voo – 2.101 dessas a pilotar um A320 – e o co-piloto com 2.766 horas de voo.
  • O que se sabe sobre a viagem? O avião da EgyptAir cumpria a ligação MS804 que saiu do aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, com direção ao aeroporto do Cairo. A hora de partida do avião foi às 23h09 (22h09 em Lisboa) e devia aterrar por volta das 3h15 (2h15) e já sobrevoava o espaço aéreo egípcio quando fez o último contacto, às 2h30 (1h30 em Lisboa). Estava a voar a uma altitude de 11.000 metros. A EgyptAir afirmou que recebeu um sinal de emergência por volta das 4h26 (3h26), duas horas depois do último contacto, mas o exército desmente esta informação.
  • Não foi enviado um sinal de socorro – Durante as primeiras horas da manhã foram lançadas informações de que tinha sido enviado um sinal de socorro, duas horas depois de ter sido realizado o último contacto com o avião. O ministro da aviação civil egípcia, Sherif Fathy, desmentiu que tenha sido enviado qualquer sinal de socorro.

O que não se sabe:

  • Causas do desaparecimento – O avião da EgyptAir desapareceu quando sobrevoava o Mediterrâneo e quando estava a 45 minutos de aterrar no Cairo, mas as informações que existem até agora não permitem ter certezas sobre a causa do desaparecimento. As buscas estão a decorrer na área onde foi emitido o último sinal. A Reuters está a avançar que o ministro da Defesa grego afirmou estar a investigar relatos do capitão de um navio de mercadoria — que estava a 130 milhas náuticas da ilha de Karpathos — que garantiu ter visto “uma chama no céu”.
  • Atentado terrorista? Egito e França não descartam a tese de atentado, com os primeiros-ministros dos dois países a fazerem declarações no mesmo sentido. “Nenhuma teoria pode ser descartada sobre a causa deste desaparecimento”, afirmou o francês Manuel Valls. O egípcio Sherif Ismail também não colocou a tese de parte: “Não podemos negar ou confirmar nada enquanto decorrem as investigações”. Antes desta viagem entre Paris e Cairo, o aparelho que agora está desaparecido passou pelos aeroportos da Eritreia e da Tunísia. Não houve registo de problemas ou avisos específicos de técnicos nesses voos, nem no que fazia a ligação entre Cairo e Paris, nem mesmo nota de carga eventualmente perigosa a bordo. Sherif Fathy, ministro da aviação egípcio, afirmou que é mais provável o voo MS804 ter caído devido a um ataque terrorista do que devido a falhas técnicas.
  • O que aconteceu ao avião? – A última vez que houve contacto com o avião foi às 2h30 (1h30). Ainda não foi confirmado o que terá acontecido ao avião, sendo que Sherif Fathy se recusa a afirmar que o avião terá caído até ter provas que o confirmem. Aviões de busca gregos que estão a investigar o local onde foi dado o último sinal. Os aviões encontraram pedaços de plástico a flutuar junto a ilhas gregas, a 80 quilómetros de distância do local onde o avião terá desaparecido. Ainda não foi possível confirmar se os objectos pertencem ao voo MS804.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR