Portugal foi um dos quatro países da zona euro onde não houve, no primeiro trimestre, um saldo positivo na criação de emprego. Segundo dados divulgados pelo Eurostat, o número de pessoas empregadas na zona euro (e também na União Europeia) aumentou 0,3% nos primeiros três meses de 2016. Já em Portugal a variação foi nula: 0,0%.

A variação nula para a criação de emprego em Portugal diz respeito à comparação trimestre a trimestre. Na comparação com o mesmo período do ano anterior, houve uma criação de emprego de 1,1% (ainda assim, abaixo da média europeia, de 1,4%).

Portugal no fundo da tabela na criação de emprego

empregoooooo

Fonte: Eurostat — Variações em cadeia e sazonalmente ajustadas

Portugal fica no fundo da tabela entre os 28 países da União Europeia. Piores só a Polónia, onde a incerteza política está a penalizar a atividade económica, e países como Grécia, Letónia e Holanda. Nesses países, caiu o número de pessoas empregadas. Pela positiva, países como a República Checa, Lituânia e Hungria tiveram taxas de crescimento superiores a 1%.

Segundo o Eurostat, há 152,6 milhões de pessoas empregadas na zona euro, o número mais elevado desde o quarto trimestre de 2008.

Contudo, para Portugal, os últimos dados do Eurostat não têm sido tão animadores. Na semana passada, o gabinete de estatísticas da UE indicou que a economia da zona euro cresceu 0,6% no primeiro trimestre, o triplo do ritmo de Portugal.

Quanto a tendências futuras, uma sondagem da Manpower a 629 empregadores nacionais revelou que só 16% das empresas admitem reforçar o pessoal no próximo trimestre. Mais de três quartos das empresas não preveem contratar.