Lisboa

Serão “mais de 250” os elementos da PSP que passarão para a Polícia Municipal

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa anunciou que "mais de 250" elementos da PSP vão passar a integrar a Polícia Municipal, destinados ao policiamento de trânsito na cidade.

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, anunciou esta terça-feira que serão “mais de 250” os elementos da Polícia de Segurança Pública (PSP) que integrarão a Polícia Municipal, destinados ao policiamento de trânsito na cidade.

“Passará a estar sob a alçada da responsabilidade da Câmara Municipal a gestão de um corpo de membros da PSP que integrarão o corpo da Polícia Municipal de mais de 250 especificamente alocados à área do trânsito e da mobilidade”, afirmou Fernando Medina na Assembleia Municipal de Lisboa (AML), falando no período destinado à informação escrita do presidente.

Fonte oficial do município adiantou à Lusa que estes agentes “passarão para a Polícia Municipal até outubro”.

Perante os deputados municipais, o líder do executivo de maioria socialista apontou que “a Câmara Municipal e o Ministério da Administração Interna (MAI) chegaram a entendimento relativamente aos meios necessários para que a Câmara Municipal de Lisboa exerça na plenitude as competências relativamente à regulação e ao funcionamento do trânsito na cidade”.

Medina considerou que este é um “pilar chave para a gestão de uma cidade moderna” pois a “responsabilidade da Câmara no policiamento de trânsito vai ter efeitos de grande significado” e representa “uma melhoria significativa de toda a cidade”.

Esta medida foi anunciada na segunda-feira pelo vereador da Segurança da autarquia, Carlos Manuel Castro.

No final de fevereiro deste ano, a Câmara de Lisboa já tinha informado estar em “diálogo intenso” com o MAI e com a PSP para vir a ter a competência do policiamento do trânsito.

Na altura, Fernando Medina vincou que a competência – várias vezes reivindicada pelo ex-presidente da Câmara de Lisboa e atual primeiro-ministro, António Costa – será “crucial para gerir a cidade”, visto que à Polícia Municipal já cabe o policiamento da via pública.

No início desse mês, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, disse que o Governo estava “a negociar e a avaliar” a assunção, por parte da Polícia Municipal de Lisboa, de competências na área da regulação de trânsito.

Porém, ressalvou na ocasião que a Divisão de Trânsito da PSP de Lisboa não vai passar para a alçada da Polícia Municipal.

Durante a sessão, o presidente da Câmara anunciou também que vai ser “aberto novo concurso para admissão” de elementos para o Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa.

Perante acusações de falta de pessoal e de limitações às candidaturas por parte do deputado do PSD Magalhães Pereira, Medina esclareceu que no anterior concurso “só não foram admitidos mais porque não houve candidatos em condições, não foram apurados nas provas” e não “por limitação da Câmara”.

À Lusa, o vereador dos Recursos Humanos precisou que o novo concurso terá os mesmos moldes do anterior, ou seja, “será destinado a 50 candidatos, com reserva de outros 50”.

“Em setembro, senão antes, abriremos essa nova vaga”, declarou João Paulo Saraiva, acrescentando que o assunto será apreciado pela Câmara em julho.

O vereador advogou também que o executivo está “a tentar recuperar o desequilíbrio das faixas etárias” existente atualmente no regimento de bombeiros.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)