O dia é de luto nacional em Itália. Este sábado decorreram as cerimónias fúnebres de 35 das quase 300 pessoas que perderam a vida na sequência do sismo que, na passada quarta-feira, abalou a Itália.

Os funerais com honras de Estado arrancaram pela manhã na cidade de Ascoli Piceno, num ginásio comunitário, e contaram com a presença do Presidente da República e do primeiro-ministro italianos, entre outras centenas de pessoas que prestaram uma última homenagem aos falecidos. Também o bispo de Ascoli, Giovanni D’Ercole, o fez, ao ler o nome de cada uma das vítimas.

Este sábado foi o adeus final a 35 pessoas, mas o balanço mais recente dá conta de 291 mortos, um número que tem vindo a crescer desde que o abalado na madrugada da última quarta-feira, de 6,2 graus na escala de Richter, fez tremer a Itália e afetou profundamente Amatrice. Desde então, a terra não ainda não parou de tremer, com as réplicas do sismo a multiplicarem-se.

Entretanto, o primeiro-ministro italiano Matteo Renzi declarou estado de emergência nacional e avançou com uma ajuda financeira de 50 milhões de euros. De referir ainda que as equipas de resgate continuam a procurar por sobreviventes, apesar de as probabilidades serem cada vez mais reduzidas.