Uma revolução tecnológica poderá tornar os fundos de investimento portugueses mais baratos. O blockchain, uma inovação incluída no desenvolvimento da moeda bitcoin, poderá substituir os sistemas caros e antiquados que o sistema financeiro usa para comunicar e registar as operações sobre fundos. José Veiga Sarmento, o presidente da Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP), acredita que a tecnologia possibilita “custos de transação muito mais baixos”, o que poderá ser refletido nas comissões cobradas aos subscritores.

A APFIPP está a desenvolver uma plataforma de comercialização de fundos de investimento nacionais baseada na tecnologia blockchain. Esta tecnologia, que combina princípios matemáticos, criptográficos e económicos, permite implementar um registo acessível por várias entidades, sem a necessidade de validação ou reconciliação de terceiros. José Veiga Sarmento destaca ainda a possibilidade de fazer os chamados “contratos inteligentes”, em que o sistema guarda informação sobre os investidores e os produtos. Por exemplo, a subscrição de um fundo mais complexo só é executada se o registo do investidor indicar que ele tem conhecimentos avançados sobre investimentos.

José Veiga Sarmento explica que a APFIPP quer desenvolver “uma prova de conceito nacional desta tecnologia com o objetivo de subscrever e resgatar unidades de participação”. Até ao final do ano haverá novidades, conta.

Tendência global

Satoshi Nakamoto, o inventor ou os inventores anónimos das bitcoins, usou o blockchain para garantir que a moeda seria segura mas descentralizada, isto é, independente de bancos centrais. O sistema financeiro está a aproveitar a tecnologia para criar novas soluções.

A Nasdaq, uma bolsa norte-americana, está a implementar um modelo baseado no blockchain para registar negócios sobre ações de empresas não cotadas. A bolsa da Austrália quer passar todos os seus registos de operações e liquidações para um sistema blockchain. A Euronext, a bolsa pan-europeia que inclui a praça lisboeta, aliou-se a instituições financeiras para criar um mercado de negociação de títulos para pequenas e médias empresas. A Euronext, tal como a SIBS, a entidade que gere a rede Multibanco, é parceira da APFIPP no desenvolvimento da nova solução para fundos de investimento.

O R3 é provavelmente o maior consórcio internacional para a aplicação da tecnologia blockchain ao sistema financeiro. Inclui mais de 60 instituições, como Barclays, BBVA, BNP Paribas, Credit Suisse, Deutsche Bank, JPMorgan, Santander e UBS.

Não é apenas o sistema financeiro a implementar tecnologia blockchain. Na Escandinávia, algumas companhias de logística desenvolveram uma base de dados partilhada sobre o posicionamento de contentores. A Grécia e as Honduras ponderam o desenvolvimento dos sistemas de registo predial baseados no blockchain.

Vantagens nos fundos de investimento

A direção da APFIPP tem dois objetivos com o desenvolvimento da tecnologia: criar uma plataforma que dê acesso aos fundos de investimento nacionais e provar, usando equipas portuguesas, que é possível alcançar custos operacionais inferiores aos que se registam atualmente na indústria de fundos de investimento. “O objetivo neste momento tem uma matriz nacional”, revela José Veiga Sarmento, que não exclui, no entanto, que a plataforma possa ser aberta a gestoras estrangeiras de fundos.

O presidente da APFIPP compara a plataforma que planeiam desenvolver com os supermercados de fundos, as instituições financeiras que comercializam centenas de fundos, como o Banco Best. “O trabalho envolvido entre estas entidades e as entidades fornecedoras da sua matéria-prima [fundos de investimento] é enorme: confirmações, registo de operações, conciliação”, conta José Veiga Sarmento. “O que iremos dar a todos os operadores com esta plataforma é a possibilidade de adicionarem os fundos de investimento que entenderem sem terem de fazer um investimento muito grande em organização e em tecnologia para dar aos seus clientes uma oferta mais alargada.”

Também será possível poupar na auditoria e supervisão. “Os auditores e os supervisores são grandes consumidores de informação. As instituições financeiras têm equipas cujo trabalho é preparar informação para que os auditores e os supervisores possam fazer as suas verificações e aceder à atividade que foi registada”, recorda José Veiga Sarmento. “Se associarmos os auditores e os supervisores, podem fazer as suas funções sem terem de fazer atividades de investigação sobre as bases de dados.”