O concurso russo já vai na 7ª edição e a ideia é sempre a mesma: convidar casais, famílias e grupos de amigos a aparecer na capa do próximo catálogo da IKEA. Modo de participação: tirarem uma fotografia em casa “com uma abordagem criativa e bom humor, para aumentarem as hipóteses de ganhar”. Depois, as fotografias seriam votadas pelo público num concurso online no site da empresa sueca de mobiliário.

Lee Polyakov e o namorado decidiram concorrer e rapidamente subiram ao primeiro lugar das votações, o que lhes valeria a capa do catálogo na Rússia. Tinham já 7525 votos, uma larga diferença em relação ao segundo lugar, que tinha 834 votos. Mas o casal de dois homens acabou por desistir do concurso. O IKEA anunciou que a foto foi retirada do concurso “a pedido dos participantes”.

A fotografia faria história, devido à dura legislação russa contra os homossexuais. Desde 2013 que é proibido por lei qualquer promoção de um “conceito distorcido” entre casais. Os que não cumprirem podem pagar multas que começam nos 100 euros ou serem mesmo sujeitos a penas de prisão.

Polyakov tinha partilhado a fotografia no Facebook a apelar ao voto, o que tira força ao facto de a desistência ter ocorrido por vontade própria. A teoria mais forte é, sim, a de que o casal foi pressionado para desistir. A homossexualidade é considerada crime na Rússia desde 1993.