O Presidente da República reiterou que os dados conhecidos da execução orçamental mostram que há “condições para que o défice fique em 2,5%”, um “número confortável para a União Europeia” e por isso “bom para Portugal”.

“Aquilo que conhecemos hoje mostra que, como eu disse repetidas vezes há condições para que o défice fique em 2,5%. Lembram-se que houve quem tivesse muitas dúvidas olhando para os números do primeiro trimestre, do segundo trimestre, terceiro trimestre”, respondeu Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas à saída da escola Ave-Maria, em Lisboa, quando questionado sobre a execução orçamental conhecida esta tarde, segundo a qual o défice orçamental até setembro se reduziu em 292 milhões de euros.

Na opinião do Presidente da República, “os factos têm dado razão àqueles que entendem que, no fim do ano” o défice vai “ficar num número que é um número confortável para a União Europeia”, considerando que “isso é bom para Portugal”.