Rádio Observador

Mundial 2018

Portugal. As passas do Algarve em 132 segundos

Do empate caído do céu ao 2-1 de William, nem tempo dá para mudar de canal. Na terceira vitória seguida a caminho do Mundial-2018 (Letónia, 4-1), Ronaldo bisa, falha um penálti e ainda atira à trave

Acrobacia de Ronaldo, com a língua de fora: eis o 3-1 à Letónia

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Rui Miguel Tovar

É incómodo, irritante até. Muda-se de um canal de informação para um só de filmes. Ou de séries, tanto faz. Um abrir e fechar de olhos é o suficiente para decidir se continuamos a ver ou não. Caso seja não, carregamos na tecla +, avançamos um canal e revemos a cena de há menos de um segundo. É o agádê, dizem-nos. Pois bem, o hd é a invenção mais monocórdica da história televisiva. Há ali uma fase de 20-e-tal canais em que somos transportados à força para o passado, irra. Afasta de mim esse cálice.

E então? Ora bem, há uns laivos de hd no Portugal-Letónia de qualificação para o Mundial-2018. Sem categoria para ombrear com a nossa rapaziada, os letões entram rijos que dói. Aos 46 segundos, Nani apanha forte e feio. Aos 83 segundos, é a vez de Ronaldo ser vítima de um encontrão sem bola. Agádê ao quadrado isto é magia. Portugal assume o favoritismo desde o início, com pressa de golear como se a Letónia fosse Andorra ou Ilhas Faroé, clientes de um set sem resposta (6-0) nos dois últimos jogos de apuramento. Só que a pontaria de João Mário, Ronaldo e Nani esbarra sempre na figura do guarda-redes Vanins. A solução para desbloquear este problema é um penálti. Vai daí, aos 28 minutos, Nani combina o dois-um com Ronaldo e é carregado dentro da área. O árbitro escocês apita penálti e Ronaldo transforma o castigo, sem enganar Vanins, que ainda toca na bola. Um-zero é o resultado ao intervalo. Justo, justíssimo.

Para a segunda parte, o método de derrubar o muro letão é o mesmo. Só da marca dos 11 metros. Aos 58′, André Gomes cai e o árbitro aponta para a marca. Ronaldo, sempre ele, avança cheio de confiança. Desta vez, engana Vanins. A bola vai ao poste, embate no corpo do guarda-redes e sai de fininho, como se nada fosse. Pela primeira vez na história, a selecção tem 50% de eficácia nos penáltis no mesmo jogo (bis de Eusébio à Coreia do Norte em 1966 e bis de Figo à Moldova em 2001, curiosamente também no Algarve). Já se sabe como é. Ronaldo falha um lance desta natureza e como que acorda para o jogo. Nos minutos seguintes, é vê-lo a desbravar terreno como nunca para se redimir do erro. Que, bem vistas as coisas, é um erro maiúsculo. Porque é o quinto penálti falhado pela selecção em dez tentativas e porque a Letónia se agiganta.

A inequívoca prova disso é o empate caído do céu, por Zjuzins. O primeiro remate de Garbovs bate em Fonte e o pontapé-ressaca do suplente entra sem apelo nem agravo na baliza de Patrício, imbatido há 308 minutos na fase de qualificação. No momento em que a bola passa a linha, o relógio marca 66’46”. Uma das qualidades de Portugal de Santos é a reacção imediata. Vê-se num 2-1 à Sérvia, na Luz (depois do pontapé de bicicleta de Matic, o 2-1 de Coentrão). Vê-se no 2-1 de Moutinho, em Belgrado. Vê-se no 1-1 de Nani, 2-2 de Ronaldo e 3-3 de Ronaldo vs. Hungria, no Euro. Quando se trata de cair e levantar, Portugal parece um jogador de subbuteo: nunca cai em definitivo, só se desequilibra ligeiramente.

No Algarve, onde a selecção é invencível desde sempre (a estreia é no São Luís de Faro em 1977), com um total de nove vitórias e três empates, mais um caso paradigmático de golo deles-golo nosso. O relógio já marca 68’58” quando William apanha o cruzamento da direita de Quaresma e desata o nó. Faz bem, o Oceano. Oceano? Sim senhor, Oceano é a alcunha dada por Quaresma a William. Há muito, muito tempo. Antes ainda da invenção do hd. Oceano ou William, o certo é que o homem dissera isto há meio ano, em entrevista à agência de notícias espanhola EFE: “ Sou como uma bússola, procuro sempre facilitar as coisas. Sou eu que digo: ‘agora a equipa vai para a direita, agora vai para a esquerda’. Ponho o ritmo do jogo. Só que tenho de fazer mais golos, tenho de melhorar o jogo de cabeça, de definir melhor esse tipo de lances.” Check.

Com um Quaresma inspirado, do seu pé sai o cruzamento para o 3-1 de Ronaldo, num remate acrobático com o pé direito, ao segundo poste. É o 11.º bis do capitão na selecção (atrás dele, Eusébio e Pauleta com seis). Para Quaresma, é a 16.ª assistência ao serviço de Portugal, encostado a Moutinho (17) e Nani (18), longe ainda do líder Figo (40). A Letónia só vê jogar, nada mais. E livra-se do 4-1 aos 89′, porque Ronaldo falha o encosto à boca da baliza a um cruzamento de Renato. E livra-se do 4-1 aos 90′, porque Ronaldo acerta a bola na trave na sequência do enésimo centro bem medido de Quaresma. O quatro-um chega aos 90’+1, com dois intérpretes insuspeitos: Guerreiro levanta com o pé esquerdo para a área e Bruno Alves eleva-se bem para somar o seu 11.º golo na selecção. Impressionante. E o 5-1 é adiado sine die porque o árbitro apita para o fim no preciso instante em que Quaresma está lançado. Tudo bem, guardamos esse golo para o próximo jogo, com a Hungria, em Março.

Estádio Faro/Loulé, Algarve
Árbitro: Madden (Escócia)
PORTUGAL: Patrício; Cancelo, Fonte, Bruno Alves e Guerreiro; João Mário (Gelson, 72′), William, André Gomes (Renato 88′) e Nani (Quaresma, 65′); Ronaldo e André Silva
Seleccionador: Fernando Santos (português)
LETÓNIA: Vanins; Freimanis, Jagodinskis, Gorkss e Maksimenko; Gabovs, Laizans, Tarasovs e Kluskins (Vislakovs, 79′); Rudnevs (Gutkovskis, 87′) e Ikaunieks (Zjuzins, 61′).
Seleccionador: Marian Pahars (letão)
Marcadores: 1-0, Ronaldo (28′, gp); 1-1, Zjuzins (68′); 2-1, William (70′); 3-1, Ronaldo (85′); 4-1, Bruno Alves (90’+1)
Nota: Ronaldo falha penálti, ao poste (59′)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)