Rádio Observador

Óbito

Um “artista brilhante”. Como o mundo está a reagir à morte de George Michael

557

A morte do cantor apanhou quase toda a gente de surpresa e muitos cantores usaram as redes sociais para manifestarem o choque, o pesar e a admiração pela obra de George Michael.

Hulton Archive/Getty Images

Autores
  • João Pedro Pincha
  • Observador

Não foram precisos muitos minutos para que as redes sociais se enchessem de reações à morte de George Michael, divulgada publicamente ao fim da noite de Natal.

Elton John, que gravou uma versão ao vivo de Don’t Let The Sun Go Down On Me com George Michael, em 1991, foi dos primeiros a mostrar-se “em profundo choque” com a notícia. No Instagram, o cantor partilhou uma fotografia de ambos e escreveu que perdeu “um amigo querido – a alma mais generosa e amável e um artista brilhante”.

No Twitter, vários cantores e personalidades mostraram-se incrédulas com o sucedido.

Bryan Adams: “Descansa em paz George Michael. Não consigo acreditar. Um cantor incrível e um ser humano adorável, demasiado novo para deixar-nos”

Andrew Ridgeley (com quem George Michael fundou os Wham!): “De coração partido com a perda do meu querido amigo Yog. Eu, os seus mais queridos, os seus amigos, o mundo da música, o mundo em geral. Para sempre amado.”

Brian May (guitarrista dos Queen): “George? George Michael? Não…não pode ser. Para lá de triste.”

Duran Duran: “2016 — a perda de mais uma alma talentosa. Todo o nosso amor e condolências à família de George Michael”

Jeremy Corbyn (líder do Partido Trabalhista inglês): “Triste por saber que George Michael morreu. Ele era um artista excecional e um forte apoiante dos direitos LGBT e dos trabalhadores.”

David Guetta: “Último Natal para um cantor extraordinário desaparecido demasiado cedo”

Disclosure: “Mais um incrível talento que perdemos. Obrigado por toda a música, sr. George Michael. Os pensamentos estão com a sua família e amigos…”

Liam Gallagher (ex-músico dos Oasis): “É bom que isto do George Michael não seja verdade”

Nile Rodgers: “Eras um génio absoluto. As minhas sinceras condolências para a tua família, David, Michaerl e toda a equipa”

Madonna: “Adeus Meu Amigo! Outro Grande Grande Artista que nos deixa. 2016 podes parar de nos lixar AGORA?”

James Corden: “Adorava o George Michael desde que me lembro. Ele era uma absoluta inspiração. Sempre à frente do seu tempo.”

Ryan Reynolds: “George Michael era uma alma amável e gentil.”

Ellen DeGeneres: “Acabei de saber da morte do meu amigo George Michael. Era um talento brilhante. Estou muito triste.”

Josh Groban: “Outra bela voz que foi cedo demais.”

Usher: “2016 tem sido difícil.”

La Toya Jackson: “Deste ao mundo um presente incrível! Que talento! Que perda! Vamos continuar a amar-te! RIP George Michael!”

Ricky Gervais: “Inacreditável. RIP George Michael.”

Ricky Gervais publicou ainda um segundo twitter: “George Michael – Especial Extra de Natal”

No twitter, Boy George remeteu um link com para um pequeno texto onde presta homenagem a George Michael. Neste pode ler-se: “Estou a pensar na família, nos amigos e nos fãs de George Michael, neste momento. Ele foi muito amado e espero, sinceramente, que soubesse disso porque hoje a tristeza está além das palavras. Devastador. Que bela voz que tinha e a sua música irá viver como uma testemunha do seu talento. Não acredito que morreu. Espero que Buda o segure nos seus braços.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

Portugal não era nem é racista

João Pedro Marques

Será o racismo um problema real, tanto no tempo de Vasco Santana como agora, ou foi a nossa noção de racismo que mudou a tal ponto que tendemos a chamar racismo a coisas que o não eram e o não são? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)