Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A primeira “auscultação” do mercado aconteceu em 2014, no Salão Automóvel de Paris, com a apresentação de um protótipo de nome Asterion LPI 910-4. Cerca de dois anos depois, a Lamborghini confirma a intenção de contar com uma proposta híbrida na sua gama, desta feita, tendo por base o novo e primeiro SUV da marca de Sant’Agata Bolognese, o Urus.

Segundo o responsável máximo do fabricante italiano para a área da Pesquisa e Desenvolvimento, Maurizio Reggiani, o Urus híbrido está já a ser desenvolvido. Tudo apontando para que seja também o primeiro modelo da marca a ostentar um V8 4,0 litros biturbo, que o fabricante descreve como “determinante” para o desempenho do sistema híbrido, desde logo, pela promissora capacidade de gerar um elevado binário.

Recorde-se que o Asterion ostentava, debaixo do capot, um V10 5,2 litros naturalmente aspirado importado do Huracan, conjugado com três motores eléctricos. Porém, e apesar de em estado igualmente avançado, os responsáveis da Lamborghini garantiram já que não pensam contar com mais do que um híbrido na sua gama, mantendo tanto o Huracan como o Aventador exclusivamente com motores de combustão, respectivamente, V10 e V12, naturalmente aspirados.

Quanto à possibilidade de o Urus híbrido vir a ter um diesel como motor de combustão estará descartada à partida, uma vez que o CEO da Lamborghini, Stefano Domenicali, afirmou, há algum tempo, que nem sequer foi colocada sobre a mesa a hipótese de um Urus a gasóleo. Já quanto a uma versão exclusivamente eléctrica, não foi, até ao momento, colocada totalmente de parte…

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR