Os estudantes moçambicanos conseguiram a maioria das bolsas oferecidas pelo Brasil em 2016 aos países em desenvolvimento, refere uma nota de imprensa da embaixada brasileira em Maputo.

O comunicado indica que, das 76 bolsas disponíveis no ano passado, no âmbito do Programa de Estudante – Convénio de Pós Graduação (PEC-PG), 42 foram concedidas a candidatos oriundos de Moçambique.

“Este é o resultado de um esforço conjunto dos governos brasileiro e moçambicano na área de pesquisa e formação académica”, realça a nota.

O maior aproveitamento das bolsas oferecidas no âmbito do PEC-PG, por parte dos estudantes moçambicanos, tem-se traduzido na empregabilidade dos beneficiários, acrescenta a nota.

“Diversos profissionais formados no Brasil são reconhecidos por sua excelência técnica e académica”, lê-se no texto.

No quadro do PEC-PG, o estudante pode escolher o curso e a universidade que quer frequentar, fica isento de qualquer propina e recebe uma bolsa ao longo da duração do curso, explica a embaixada do Brasil em Maputo.

Após a conclusão da atividade formativa, o graduado recebe um diploma com todos os requisitos necessários para o seu reconhecimento pelo Governo moçambicano, acrescenta o comunicado.

Além de África, o PEC-PG, iniciado em 1981, é destinado aos estudantes das américas e da Ásia.