Foi através da página oficial do Facebook da Super FM que Rui Santos, diretor da rádio, explicou o que se sucedeu na manhã de sexta-feira na zona de Alcochete. Segundo a publicação, “o raio não atingiu a antena” de emissão mas sim “a rede elétrica local”, fazendo com que o cabos da Rede Elétrica Externa derretessem. A emissão está a decorrer online e nos serviços da NOS e da MEO mas não existe ainda uma data para retomar a emissão FM.

Olá a todos, Aqui Rui, mais uma vez…Nem sei como começar, mas cá vái:Quem mora na Margem Sul, percebeu que o tempo…

Posted by Rádio Super FM – Portugal on Friday, February 10, 2017

O Centro Emissor da SuperFM está instalado em Vale Figueira, Alcochete, local onde caiu o raio. Na publicação divulgada pela rádio, Rui Santos esclarece que, além da Rede Elétrica Externa o incidente “fez explodir a caixa de entrada dos fusíveis, explodiu o quadro, lâmpadas, fichas, etc, derreteu o diferencial da EDP, e calcinou o emissor, excitador, link, mesa de mistura de apoio e restante material responsável pela emissão dos 104.8, assim como todos os cabos elétricos do edifício”.

Os estragos estão avaliados em 50 mil euros em equipamentos que foi destruído. Rui Santos aproveitou ainda a publicação para informar que já estaria a decorrer um plano para o “‘renascer’ em pleno da Super”, com várias mudanças e novos diretores. No entanto, o sucedido veio atrasar o desenvolvimento destas mudanças. “Vai demorar tempo, até termos de novo o emissor a funcionar e a emissão em FM; A rádio, por agora, torna-se apenas Online e nas Plataformas da NOS e da Meo”, escreve o diretor.

A notícia foi atualizada para corrigir um erro quanto à data da ocorrência.