Rádio Observador

José Eduardo dos Santos

Indicação de João Lourenço como candidato a Presidente da República angolano é “pseudo-sucessão”

A UNITA, maior partido da oposição angolana, considerou que o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, "decidiu sair sem sair" ao anunciar o nome de João Lourenço como candidato às eleições gerais deste ano.

A UNITA, maior partido da oposição angolana, considerou esta quarta-feira que o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, “decidiu sair sem sair” ao anunciar o nome de João Lourenço como candidato às eleições gerais deste ano. O secretário-geral da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Franco Marcolino Nhany, falava em conferência de imprensa, em Luanda, para fazer uma análise do momento político atual de Angola.

Sobre a pseudo-sucessão de José Eduardo dos Santos por João Lourenço, a nossa posição é clara: O senhor presidente do MPLA [Movimento Popular de Libertação de Angola, no poder] decidiu sair sem sair. Continua a dirigir o MPLA na sua lógica de que é o partido que inspira a ação do Governo”, referiu Franco Marcolino Nhany.

O secretário-geral da UNITA considerou igualmente que a figura de João Lourenço, vice-presidente do MPLA, “foi imposta” pelo seu líder. “O senhor presidente do MPLA continua a impor, a todo o custo, a sua vontade ao MPLA, mas quem executa a sua vontade passa a ser uma outra pessoa, que não foi eleita por sufrágio direto e secreto. Esta pessoa que foi imposta chama-se João Lourenço”, apontou o político da UNITA.

O presidente do MPLA e chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, anunciou no princípio deste mês que não será recandidato ao cargo nas eleições gerais deste ano, deixando assim o poder em Angola, ao fim de 38 anos. O nome de João Lourenço foi aprovado pelo Comité Central do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), que governa o país desde 1975, como cabeça de lista do partido histórico às próximas eleições gerais, e candidato a Presidente da República, e do ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa, como número dois, concorrendo a vice-presidente.

De acordo com Franco Marcolino Nhany, “esta pseudo-sucessão” enquadra-se apenas na lista de candidatos a deputados do MPLA “e não na presidência do MPLA e muito menos na presidência da República, porque nas repúblicas não há sucessões, há eleições e as eleições em Angola serão em agosto de 2017”.

A Constituição angolana aprovada em 2010, prevê a realização de eleições gerais a cada cinco anos, elegendo 130 deputados pelo círculo nacional e mais cinco deputados pelos círculos eleitorais de cada uma das 18 província do país (total de 90). O cabeça-de-lista pelo círculo nacional do partido ou coligação de partidos mais votado é automaticamente eleito Presidente da República e chefe do Executivo, conforme define a Constituição, moldes em que já decorreram as eleições de 2012. A campanha eleitoral do MPLA para as próximas eleições previstas para agosto será inteiramente conduzida pelo vice-presidente do MPLA, atual ministro da Defesa de Angola, e candidato a Presidente da República, João Lourenço.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)