A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC) pediu esta sexta-feira 12,8 milhões de euros para ajudar nos próximos nove meses 320.000 pessoas em risco de fome devido à seca na Etiópia.

“As informações que estamos a receber dos nossos colegas da Cruz Vermelha na Etiópia são extremamente preocupantes, sobretudo as que vêm do sul e do sudeste do país“, declarou a diretora para África da IFRC, Fatoumata Nafo-Traoré. “O gado morre, as fontes de água secam e os níveis de má nutrição crescem”, adiantou.

A crise alimentar provocada pela seca na região afeta 5,6 milhões de pessoas na Etiópia, segundo a Cruz Vermelha, que tenta obter doações para “distribuir alimentos, tratar crianças desnutridas e melhorar o acesso aos serviços de saúde e a água potável”.

“A Cruz Vermelha etíope está há mais de 12 meses a dar resposta a esta emergência. Mas a continuação da seca e a falta de financiamento dos nossos pedidos de fundos levaram a que a situação tenha continuado a deteriorar-se”, disse a secretária-geral da organização no país, Frehiwot Worku.

“Não podemos permitir mais atrasos. As pessoas precisam da nossa ajuda”, adiantou.