Rádio Observador

PSOE

Susana Díaz já é candidata e não quer PSOE em “geringonça” espanhola

A presidente da Andaluzia já é oficialmente candidata às primárias do PSOE e só quer formar Governo se o PSOE for o partido mais votado nas eleições. Quer contrariar "imitação" do Podemos.

Susana Díaz quer governar "a partir da vitória"

JORGE GUERRERO/AFP/Getty Images

Era uma candidatura há muito anunciada e tornou-se oficial este domingo: Susana Díaz é candidata à liderança do PSOE e vai enfrentar Patxi Lopez e Pedro Sánchez nas primárias dos socialistas espanhóis. Num comício com mais de sete mil pessoas — incluindo o antigo primeiro-ministro José Luis Zapatero e o histórico Filipe González — a presidente da região da Andaluzia quer que o PSOE volte a Governar “mas a partir da vitória“. Ou seja: só se for a força mais votada, descartando uma solução à semelhança da de António Costa, que uniu a esquerda em acordos que a oposição apelidou de “geringonça.”

Susana Díaz rejeita ficar refém do Podemos, sem nunca dizer o nome do partido de Pablo Iglesias. “O PSOE será sempre um projeto autónomo. Uma coisa é fazer acordos com um partido, outra é entregar o PSOE ou imitar outro partido”, disse a candidata socialista citada pelo El País.

Díaz explicou aos socialistas que quer “o voto dos que não têm ódio, dos que não guardam rancor, para voltarmos a ser o que fomos. Juntos. Levantando este país. A ganhar por Espanha. Pelo PSOE. Pelos cidadãos“. A candidata fez um discurso mais voltado para a conquista da governação espanhola do que do partido. Sobre as primárias, prometeu uma “campanha limpa.”

A secretária-geral do PSOE da Andaluzia lembrou os “três grandes desafios” do país: “A pobreza e a desigualdade; o crescimento dos populismos na Europa, com ondas de racismo e xenofobia; e a luta contra os nacionalismos”. A socialista fez ainda várias críticas ao Governo de Mariano Rajoy que acusou de ter “triturado” os direitos.

Díaz, que no ano passado travou uma guerra surda com o então secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, levando ao seu afastamento, disse também este domingo que se apresenta à corrida para liderar os socialistas espanhóis “para devolver a ‘ilusión’ [palavra espanhola que significa ao mesmo tempo esperança e vontade de desempenhar bem um trabalho]” e para que o partido “volte a ganhar”.

Nas eleições legislativas espanholas de 2015 — e na repetição das mesmas em 2016 — o anterior líder, Pedro Sánchez, obteve os piores resultados do PSOE desde a Transição democrática espanhola, com o menor número de deputados. Perdeu, sobretudo, para o PP de Mariano Rajoy, que esteve no poder ao longo dos piores anos da crise económica europeia, com uma política de cortes salariais e ajudas aos bancos e numerosos casos de corrupção a envolver os “populares”.

“Sozinha não sou capaz de o fazer, preciso de toda a ajuda do partido. Peço a vossa ajuda para que o PSOE volte a liderar um projeto que tome conta de Espanha, peço-vos que me acompanhem e que me ajudem.” A nova candidata a líder nacional do PSOE (já o é dos socialistas da Andaluzia, a maior e mais populosa região de Espanha e último grande reduto político do partido) apelou a que as primárias do partido não se convertam numa corrida de acusações nem de “marketing”.

Também estiveram presentes muitos dos “barões” regionais do PSOE, aqueles que lutaram contra a liderança de Pedro Sánchez, que quis fazer uma aliança com o Podemos, de Pablo Iglesias, e com nacionalistas catalães, com o objetivo de repetir em Espanha um governo “à portuguesa”. À chegada, Felipe González sublinhou que a tarefa de qualquer um dos candidatos à liderança do PSOE “será a de unir o partido”. Ainda que não tenha dito especificamente que vai votar em Susana Díaz afirmou: “Estou aqui, não?”.

Zapatero, por seu lado, disse que com Susana Díaz é possível que o PSOE “possa ganhar a Rajoy e ao PP”. “Já o fez na Andaluzia e estou convencido de que também o vai fazer em Espanha”, sublinhou.

As primárias socialistas – nas quais poderão votar cerca de 190 mil militantes, do Partido dos Socialistas da Catalunha (PSC) e das Juventudes Socialistas — deverão realizar-se a 21 de maio. Só no próximo sábado, o Comité Federal socialista vai anunciar o calendário definitivo. Afastado da liderança no ano passado, Pedro Sánchez vai responder à demonstração de força de Susana Díaz em Madrid com um ato em Burjassot (Valência), onde espera reunir cerca de três mil militantes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)