Rádio Observador

REN

REN aumenta capital para comprar redes de gás à EDP

Transação exclui a atividade de comercialização. Os clientes de gás natural vão continuar a ser fornecidos pela EDP. A REN vai aumentar o capital para financiar negócio de 532 milhões de euros.

Rodrigo Costa é o presidente executivo da REN

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A EDP fechou um acordo para vender as redes de gás que detém em Portugal à REN (Redes Energéticas Nacionais). A empresa liderada por Rodrigo Costa vai passar a gerir a infraestrutura de distribuição de gás no Norte de Portugal que cobre 29 concelhos, incluindo o do Porto.

No entanto, e por força das restrições regulatórias, a atividade de comercialização fica excluída da transação. Isto significa que a EDP Gás será retirada do perímetro do negócio, mantendo a EDP o serviço de fornecimento a clientes de gás natural. A REN está impedida de desenvolver atividades de comercialização de energia, uma vez que tem a concessão da exploração das infraestruturas de energia, prestando serviço a todas as empresas de energia. Para além das redes de transporte (muito alta tensão) de eletricidade, a REN gere ainda o gasoduto, o terminal de Sines e as cavernas de armazenamento de gás natural, tudo atividades reguladas.

O negócio valorizou a EDP Gás em 532 milhões de euros e a REN vai financiar esta aquisição com um aumento de capital que visa obter um encaixe de 250 milhões de euros. A oferta publica de venda das novas ações dará prioridade aos atuais acionistas da REN. Esta operação terá ainda de ser aprovada pelos acionistas em assembleia geral. A REN irá também recorrer a empréstimos para assegurar o financiamento do negócio.

Quem são os maiores acionistas da REN

Estrutura acionista da Redes Energéticas Nacionais

A gestora das redes energia justifica a aquisição como sendo umaoportunidade única para a REN atingir uma maior integração infraestrutura doméstica core de gás natural”. A EDP Gás, que inclui a infraestrutura da Portgás, tem a segunda maior rede de distribuição de gás em Portugal, com uma rede de 4.640 km e uma base de ativos regulados de cerca de 451,6 milhões de euros.

Com esta operação, que se segue à venda da Naturgás em Espanha, a EDP abandona o negócio de distribuição de gás natural na Península Ibérica. A alienação permite reforçar os “objetivos de desalavancagem delineados pela EDP, bem como aumentar o nível de integração do modelo de negócio da EDP”, refere a empresa em comunicado.

O desinvestimento nas redes de gás representa uma refocagem da estratégia em ativos de eletricidade, com foco para as energias renováveis, o que levou ao lançamento de uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre o capital disperso da EDP Renováveis. A alienação das infraestruturas de gás natural em Espanha e em Portugal representará um encaixe da ordem dos três mil milhões de euros para a empresa liderada por António Mexia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)