IVA

Cachorros quentes nos cinemas tributados com IVA a 13% e pipocas a 23%

Os cachorros quentes vendidos nos cinemas são tributados com IVA a 13%, mas as pipocas comercializadas nos mesmos espaços já são abrangidas pela taxa mais alta, de 23%.

A AP foi interrogada por uma empresa cuja atividade principal é a projeção de filmes e de vídeos

JOSE COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os cachorros quentes vendidos nos cinemas são tributados com IVA a 13%, mas as pipocas comercializadas nos mesmos espaços já são abrangidas pela taxa mais alta, de 23%, uma vez que não são consideradas uma refeição. A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) foi interrogada por uma empresa cuja atividade principal é a projeção de filmes e de vídeos, mas que exerce a título secundário a atividade de restauração, sendo que, nos bares dos cinemas que explora são vendidos – para além dos respetivos bilhetes de cinema – doces, bebidas, pipocas e cachorros quentes, ambos confecionados no local, nachos, sushi, entre outros alimentos”.

A questão levantada por esta empresa pretendia confirmar que a venda de pipocas e cachorros quentes se enquadra na verba 1.8 da Lista II do código do IVA cuja taxa é de 13%. O Fisco entendeu que a venda de cachorros quentes nos bares dos cinemas da empresa em causa “é suscetível de integrar o conceito de “refeições prontas a consumir”, devendo a transmissão destes produtos alimentares ser tributada pela taxa intermédia do imposto”.

No entanto, a AT considerou que, apesar de as pipocas serem “produtos alimentares sujeitos a um processo de preparação, não integram o conceito de ‘refeição’ presente na verba”, determinando por isso que “a sua comercialização deve ser sujeita à taxa normal de imposto”, de 23%.

Na argumentação, as Finanças recordam que as refeições prontas a consumir nos regimes de pronto a comer e levar ou com entrega ao domicílio são tributadas a 13% e que o conceito destas refeições foi já desenhado em instruções administrativas anteriores.

Num ofício dos serviços do IVA da AT, emitido em junho do ano passado, o Fisco determinou que se consideram “refeições prontas a consumir no regime de pronto a comer e levar ou com entrega ao domicílio os pratos ou alimentos acabados de preparar, prontos para consumo imediato, com ou sem entrega ao domicílio (take away, drive in ou semelhantes), designadamente, a transmissão de sopas ou pizas ou outros pratos confecionados ou preparados, prontos para consumo imediato”. Por isso, “a venda de cachorros quentes preparados nos balcões de cinema da [empresa] requerente, a pedido dos clientes, tem efetivamente enquadramento na verba 1.8 da Lista II”, sendo tributados a 13% em sede de IVA.

No entanto, a AT entende que “o facto de a verba se referir expressamente a “refeições” legítima a não inclusão no seu âmbito de aplicação de todos e quaisquer produtos alimentares que sejam sujeitos a um processo de preparação ou confeção”, razão pela qual os serviços do Fisco têm considerado que a transmissão de sobremesas e de bebidas “não tem cabimento no âmbito de aplicação desta verba”.

Neste sentido, está sujeita à taxa de 23% de IVA a venda de churros, farturas ou gelados em roulottes de pronto a comer, sublinhando o Fisco que “a venda de pipocas enquadra-se nesta mesma lógica” como não se trata de uma refeição, não é passível de ser tributada a 13%.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

O engodo do défice /premium

André Abrantes Amaral

Dizem que o o orçamento é prudente, mas prudente seria seguir uma política financeira capaz de impedir que o estado social colapse com a próxima crise. O resto, lamento, é mera confusão e engodo.

Benfica

Oh meus amigos, não havia necessidade...

Pedro Coelho dos Santos

Ação gera reação. Começa-se por um pasodoble no final de um clássico, passa-se depois para um “chamem a polícia” no estádio do rival. Não pode ser. Aos dirigentes desportivos exige-se responsabilidade

Orçamento do Estado

O engodo do défice /premium

André Abrantes Amaral

Dizem que o o orçamento é prudente, mas prudente seria seguir uma política financeira capaz de impedir que o estado social colapse com a próxima crise. O resto, lamento, é mera confusão e engodo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)