Sporting e Benfica têm uma rivalidade centenária e que consegue ainda hoje ser levada ao extremo das comparações. Ao ponto de se recuar mais de 100 anos. Sabe qual foi o primeiro dérbi de sempre entre ambos? Se sim, tenha isto em conta: a sua resposta pode estar certa e, ao mesmo tempo, não coincidir com outra que possa ser dada ao seu lado. E tudo tem a ver, imagine-se, com o verdadeiro ano de fundação de leões e águias.

Comecemos por aquilo que se costuma denominar no senso comum como o primeiro dérbi entre Sporting e Benfica, na altura Sport Lisboa (aqui entronca a distinção, mas já lá iremos), a 1 de dezembro de 1907, no Campo da Quinta Nova, a contar para a primeira jornada do Campeonato de Lisboa de 1907/08.

A prova tinha sido pensada de forma rigorosa, com quatro meses de competição, jogos de 80 minutos com cinco de intervalo e uma Comissão de Vigilância para assegurar que todos os pormenores estavam assegurados. Por exemplo, que as equipas que jogassem em casa (ou seja, no seu campo) tinham de providenciar a bola e, caso os encontros fossem num terreno “neutro”, cada conjunto traria a sua própria bola e haveria sorteio.

O Sporting estava mais forte. Tinha mais para oferecer, mais se foram oferecer: o facto de ter campo próprio (Sítio das Mouras) e o luxo quase principesco de banhos de água quente pesou na hora de fazer o plantel e oito jogadores do Sport Lisboa rumaram aos leões no início dessa temporada: o guarda-redes Emílio de Carvalho; o defesa Queirós dos Santos; os médios António Couto e Albano dos Santos; e os avançados Henrique Costa, Cruz Viegas, António Rosa Rodrigues e Cândido Rosa Rodrigues (nesta altura, se pode chamar-se assim, jogava-se num sistema de 2x3x5).

Ficha de jogo

Mostrar Esconder

Sport Lisboa-Sporting, 1-2

1.ª jornada do Campeonato de Lisboa

1 de dezembro de 1907

Campo da Quinta Nova, em Lisboa

Árbitro: Burtenshaw (jogador do Carcavelos)

Sport Lisboa: João Persónio; Luís Vieira, Leopoldo Mocho; António Alves, Cosme Damião, Marcolino Bragança; Félix Bermudes, António Costa, Eduardo Corga, António Meireles e Carlos França

Sporting: Emílio de Carvalho; Queirós dos Santos, José Belo; Albano dos Santos, António Couto, Henrique Costa; Nóbrega de Lima, Cândido Rosa Rodrigues, Eagleson, Cruz Viegas e António Rosa Rodrigues

Golos: Eduardo Corga; Cândido Rosa Rodrigues e Cosme Damião (p.b.)

Cândido Rosa Rodrigues fez o primeiro golo ainda na primeira parte para o Sporting, Eduardo Corga empatou no início da etapa complementar e… o jogo parou: a chuva era tanta que até granizo apareceu sem ser chamado, o que levou os jogadores dos leões a quererem sair de campo. Burtenshaw, inglês que jogava no Carcavelos e arbitrava essa partida, não permitiu que abandonassem o campo e o encontro seguiu mesmo, com um golo na própria baliza de Cosme Damião, um dos poucos que não quis abandonar o Sport Lisboa, a decidir o desfecho final para 2-1.

Num campeonato que contava com seis equipas (Sporting, Sport Lisboa, Carcavelos, Cruz Negra, Internacional e Lisbon Cricket), o Carcavelos venceu de forma inequívoca a prova só com vitórias, fazendo prevalecer a qualidade de uma equipa composta apenas por jogadores ingleses, que tinham outro andamento para a coisa.

A diferença entre uma junção e uma fusão

E agora vem a parte da polémica, claro está. Vamos tentar resumir a “intriga”: o Sport Lisboa e Benfica surge em 1908, mais concretamente a 13 de setembro, do Sport Lisboa e do Grupo Sport Benfica. Para os encarnados, a data de nascimento oficial é de 28 de fevereiro de 1904 porque aquilo que houve foi uma junção entre ambas as coletividades – o Sport Lisboa não tinha campo e agregou-se ao Grupo Sport Benfica. Uns tinham uma boa equipa sem campo, outros tinham campo sem uma boa equipa e assim ficou resolvido o problema. Mas para alguns verde e brancos aquilo que houve foi uma fusão e, como tal, essa é a data que deve contar para efeitos práticos e não a da fundação do clube mais antigo, neste caso o Sport Lisboa. Até os historiadores bem conhecedores da história diferem e há quem defenda a fundação em 1904 e em 1908.

Assumindo-se essa tese da fundação do Benfica a 1908, pouco ou quase nada defendida a nível de imprensa da altura e atual, o vencedor do primeiro dérbi foi mesmo o conjunto de encarnado por 2-0, com golos de David da Fonseca e Cosme Damião. Esse jogo foi a segunda jornada do Campeonato de Lisboa de 1908/09, que acabaria por não terminar com o Sporting porque desistiram… após o dérbi da segunda volta.

Ficha de jogo

Mostrar Esconder

Benfica-Sporting, 2-0

2.ª jornada do Campeonato de Lisboa-Sporting

25 de outubro de 1908

Campo da Feiteira, em Lisboa

Árbitro: Gastão Pinto Basto

Benfica: João Persónio; Leopoldo Mocho, Henrique Costa; Cosme Damião, Luís Vieira, Artur José Pereira; Carlos França, David da Fonseca, Eduardo Corga, António Costa e António Meireles

Sporting: Augusto de Freitas; José Belo, António Vital; Francisco Stromp, Albano dos Santos, António Rosa Rodrigues, Henrique Amorim, Shirley, Cândido Rosa Rodrigues e Nóbrega Lima (um dos jogadores não é ainda agora conhecido)

Golos: David da Fonseca e Cosme Damião

A 24 de janeiro de 1909, os leões, aí a alinhar já com a camisola bipartida verde e branca, perderam por 2-1 com o Benfica mas protestaram o encontro devido a um penálti assinalado pelo árbitro porque um defesa dos visitados tocou na bola duas vezes quando ia marcar um pontapé de baliza. Como as regras eram omissas em relação a isso, o Sporting não aceitou essa decisão e até o rival admitiu que havia razão para isso, num gesto de fair play que não mudou a intenção de desistir da competição à sétima ronda.

A título de curiosidade, acrescente-se também que a data de fundação do Sporting, de 1 de julho de 1906, também não é 100% pacífica: o clube terá sido verdadeiramente fundado a 8 de maio desse mesmo ano mas como só mais tarde, em Assembleia Geral, ficou fechada a designação de Sporting Clube de Portugal (que venceu a Grande Sporting Clube de Portugal, a outra opção), ficou-se com essa data.